1195 – D. João Rocha e o castelo da princesa

.

joão-augusto-e-o-castelo-da.

S.

.

egundo o Saci, a veemência com que os lordes defendem o castelo e o esforço retórico com que esgrimem a palavra para parecerem reais, são tão verdadeiros quanto o mundo de Disney ou dos irmãos Grimm,  o que não impede de o construto fabulatório ser apreciado sobelamente pelas crianças…

Tem razão a sabedoria popular quando diz que quando o osso é bom o cão não larga, a não ser que seja tomado à força. E é a força da informação correta e responsável que constituirá o divisor de águas dessa historia sem fim – ou quase isso! -, protagonizada pela diretoria pelega da APUB. Fazemos questão de registrar palavra por palavra, vírgula por vírgula do que está sendo usado como “arma” para a defesa o castelo da princesa. Quem sabe as rochas lançadas contra a base sindical não se voltem contra a cabeça dos próprios atiradores embusteiros…

O trololó abaixo, é um belo exemplo do quando uma simples nota de esclarecimento pode levar o associado ingênuo e despolitizada a se inebriar com o canto da sereia, pois o cenário fantasioso é de puro sonho. Que mais cedo ou mais tarde se transformará em pesadelo.

.

Nota de Esclarecimento

 

A APUB É SINDICATO PELA DECISÃO DOS PROFESSORES
O despacho do Ministério do Trabalho (publicado no Diário Oficial da União de 11/11/2014), que determinou arquivamento do pedido de registro da Apub Sindicato, provocou apressadas e errôneas interpretações que cabe esclarecer.O que motivou o arquivamento?Havia pendências documentais. A Apub chegou a convocar uma assembleia para supri-las. Mas, decidiu suspendê-la, conforme anúncio em07/10/2013, para ter condições de reformar o Estatuto da entidade, tornando-o mais adequado às necessidades atuais. As limitações do Estatuto são conhecidas. Um exemplo: na última assembleia, em 31/10/2014, representantes das duas correntes que disputam a eleição do Sindicato decidiram que não iriam apresentar chapa para o Conselho de Representantes e que a atual fórmula estatutária, que tenta combinar municípios, zonas, ativos e aposentados não é adequada. O mesmo já havia acontecido na eleição anterior. Uma das metas para o Sindicato, portanto, é a reforma do Estatuto, garantindo estrutura mais ampla e representativa.Qual o impacto do arquivamento na situação atual da Apub?Nenhum. Interpretação de que, em função disto, a Apub voltará a ser secção sindical da ANDES significa um grave desconhecimento da Constituição Brasileira, da legislação sindical, da história do movimento docente e da vontade da maioria dos professores.
.A questão legalReagindo à Ditadura Militar, a Constituição Federal de 1988 garantiu a liberdade de organização sindical. A Apub cumpriu todos os requisitos para a constituição do Sindicato, o último dos quais foi o registro em Cartório para que sua personalidade jurídica fosse reconhecida (Código Civil, art. 45 e Lei 6115/73). A partir daí, possui legitimidade para representar e defender, como vem fazendo, os interesses da sua categoria.O Ministério do Trabalho, ao registrar os sindicatos, visa garantir a unicidade sindical (sindicato por base de representação territorial) e coloca o registro como condição para que o sindicato receba a contribuição sindical, o antigo imposto sindical (o desconto de um dia de salário por ano). A Apub e as entidades docentes optaram por não recolher a referida contribuição. Estas nunca foram sustentadas pelo imposto sindical, mas pelas contribuições dos seus associados.A desfiliação da Andes e a atuação como sindicato de base local foram aprovados, em 2009, pela maioria dos votantes. Dizer que a falta de registro no Ministério do Trabalho, que não é requisito para instituir um sindicato, anularia a desfiliação anterior, além de ser expressão do “pensamento desejoso”, seria uma postura antidemocrática, desrespeitando a decisão dos que resolveram se organizar pela base.Repudiamos, pois, a atitude precipitada e equivocada contida em mensagem veiculada pela Regional Nordeste III da ANDES, que afirma que o arquivamento do processo do pedido de registro sindical poderá afetar as nossas atividades sindicais, ou, até mesmo, implicar o retorno do nosso sindicato àquela entidade.Diretoria da Apub
Anúncios

Uma resposta to “1195 – D. João Rocha e o castelo da princesa”

  1. osaciperere Says:

    O detalhe é que o dinheirinho do associado é usado despudoradamente contra ele próprio, gastando-se rios de dinheiro com advogados, editais e azeite para azeitar a máquina…

    Pautando-se pela lógica da política do andar de cima, a presidente se recandidata e tem a seu favor toda a “máquina” sindical pra usar e abusar, meses antes do processo eleitoral ser instalado, como carurus, quermesses e todo tipo de marketing da bondade… E não há Comissão Eleitoral, por mais idônea que seja, que consiga impedir ou mesmo detectar abusos e disfarces utilizados de forma pretensamente inocentes.

    Parece que cada vez mais a Ética está indo para as cucuias…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: