168 – Indústria Cultural

 

Ainda que defendendo com unhas e dentes a liberdade de imprensa, o Saci sabe que não é possível tirar leite de pedras... A citação acima é do texto "A dialética do virtual" de João E. Neto. (Clique na arte para ampliá-la)

 

 

Menandro Ramos
Prof. da FACED/UFBA

 

Para o Saci, ler é muito bom. Mas há sempre a possibilidade das fontes serem truncadas e trocadas. As notícias estão no mundo. É vero. E não são poucas. A propaganda e a publicidade informam e deformam; a TV, o cinema, os jornais, os livros, os panfletos e a internet instruem, narram, divertem, estimulam, aterrorizam, fazem pensar e sonhar. Estão em toda parte. Não foi à-toa que o filho de Dona Canô perguntou abismado:

– Quem lê tanto notícia?

E não foi à-toa também que o Saci pegou a ponga e tirou sua lasquinha filosófica “Quem vê tanta malícia?”

Como eu não me mostrara muito disposto a abrir a boca, ele mesmo foi adiantando:

– Na Europa, o aparato estatal nazista e fascista investiu na mídia cinematográfica e radiofônica; na terra de Tio San o mercado usou e abusou delas todas enquanto o estado democrático de “direita” fingia (apenas fingia!), que não estava nem aí; no Brasil… Ah! no Brasil do DIP, d’ A Voz do Brasil, do Café com o Presidente, do Repórter Esso, do Jornal Nacional, et caterva, do Telecurso, no Show do Milhão , do Você Decide (você acredita?), do Big Brother, das teleliturgias diversas… a história é outra… E, naturalmente, vai demandar um cuidado, talvez, bem maior para decifrar a danada da esfinge verde-amarela. Não é moleza estudar o papel das múltiplas mídias num país deeeeste tamanhão! Não é meeeesmo!

Adorno, Horkheimer, Benjamin, Marcuse, Habermas… Hum! Na minha cabeça passou todo o cineminha do questionamento frankfurtiano. Frame a frame foi exibido aquilo tudo levantado sobre o Iluminismo, a ciência, a tecnologia, a razão instrumental, a teoria crítica e o escambau. Havia uma pergunta ruidosa no ar que não conhecia mordaça: dominação e controle de uns poucos sobre milhões, bilhões ou emancipação humana? 

Embora não tivesse alterado um músculo sequer do meu corpo, e continuado mudinho da silva, parece que o pestinha leu o meu pensamento e se manifestou jocosamente.

– Pesquisadores do mundo, uni-vos! 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: