376 – Rio é PUM! Salvador é FUM!

Para o Saci, os bueiros da Light estão tirando a "paes"  de Eduardo!... (clique na intervenção artística para visualizá-la melhor).
Para o Saci, os colendos executivos municipais do Rio e de Salvador penam, coitados: quando não é fum, é pum! (clique na intervenção artística fotoshópica para visualizá-la melhor).

 

Menandro Ramos
Prof. da FACED/UFBA 

ão deve ser fácil prefeiturar uma cidade, pondera o Saci. Ainda mais agora que as cidades peso-pesadas disputam o prestígio de sediar eventos desportivos internacionais do porte da Copa do Mundo e da Olimpíada. Principalmente pelo fato de os empresários, os principais beneficiários das competições, ficarem em cima, exigindo, pressionando e estressando os aflitos prefeitos, pobrezinhos.

– Em Salvador, prossegue o meu piedoso amigo – por exemplo, como se não bastasse, ainda tem o povo cobrando pelo Metrô que não vem, pela maquiagem do asfalto que a chuva borra, pelo lixão que a primeira capital do Brasil se transformou… A sorte de João é que a população esquece logo e o reelege na próxima urna… Ah! esse enorme coração! Que não vê que a cidade está pelo avesso, que é coisa de hospício, que é caso de polícia, que é razão de impeachment… E que me inspirou até em fazer uns versinhos escatológicos:

Salvador,
Terra de Todos os Santos,

Chaga social aberta em ruas e becos
E olor fétido em muitos dos cantos!
FUMMMM!

Ao breve esgar de canto de boca esboçado por mim, o pilantrinha escrachado animou-se todo em trocadilhos chinfrins.

– Ah, chefia! Mas se a vida está pobre para João, que é Henrique, imagine a guerra para Eduardo, que é Paes!…

Fingi que estava interessado na minha leitura, mas ele sabia que eu não estava… Prosseguiu inspirado:

– A Light tem deixado obesa a aflição do chefe da municipalidade carioca, pois ele reconhece que a fama da Cidade Maravilhosa pode, a qualquer momento, transformar-se em fumaça, em chama, em drama, em lama,  e rolar por um desses bueiros explosivos… E aí, PUM! O sonho de sediar a abertura dos cobiçados eventos se fecha numa sombria boca de lobo, que vai pelos ares, mares, bares, altares e adultera o seu hino:

Cidade calamitosa,
Cheia de estrondos mil
Cidade ‘spalhafatosa
A bomba do meu Brasil!
PUMMMM!

Não vou mentir, não Leitor! O Saci tem o poder de me comover, de me deixar o coração mole, que nem gelatina. Chego a achar que João Henrique e Eduardo Paes se esforçam em obrar algo da suntuosidade dos seus tronos para os munícipes.

As provocações literárias sacizescas, ainda que de pé quebrado, ou de uma perna só, se preferir o (a) Leitor (a), me remetem ao passado. Na minha adolescência, décadas e décadas idas, quando um prefeito ou governador não administrava a contento para a população, dizia-se que a autoridade política estava com “prisão de ventre”. E alguns até ousavam prescrever “santos remédios”. Anos depois, constato que os “intestinos” de muitos dos nossos administradores continuam preguiçosos…

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: