56 – O silêncio dos bons da UFBA

 

Para o Saci, o silêncio da UFBA é ensurdecedor... (Clique na charge para ampliá-la).

 Prezado Colega da UFBA

Se você não quer ser mais um na fila dos que apenas seguem o rebanho, clique AQUI e posicione-se.

Uma resposta to “56 – O silêncio dos bons da UFBA”

  1. José Tavares-Neto Says:

    Prezado Amigo do Saci,

    Não sou bom e nem ruim, mas por certo curioso sobre as peraltices do Saci.

    Porém, a principal questão é o “silêncio ensurdecedor” como a maior PRAGA do nosso atual Brasil. Neste novo tempo e sem SNI, os nossos intelectuais, artistas e formadores de opinião em geral, acima e abaixo das nascentes do Rio São Francisco (de direita, esquerda ou do “vamos conversar”), estão todos com grandes “papos” por meio de mímicas desconhecidas até nas Escolas de Teatro. Daí o tal silêncio. Ou será que o Saci conhece algum Professor dessa nova linguagem não-poluente sonora?

    Quero aprender, para uso local, porque, talvez, por meio desse novo método “avançado” de comunicação, possa melhor compreender como os “silenciosos” abordam e EXPLICAM as seguintes questões: FBC vs. HUPES-UFBA; Invasão da Polícia Federal, a pedido, e Prisão dos nossos Alunos dentro do Palácio da Reitoria; Operação Jaleco Branco vs. Prisão da Procuradora-chefe; Prefeitura do Campus vs. Ministério Público Federal; “Efeito pomada” (ou uso da mídia) vs. falta de restaurante universitário, assistência estudantil, etc; Expansão vs. Qualidade de Ensino, etc., e etc.

    Ou será melhor, continuar na procura de aprender a linguagem do nosso Povo? E deixar esse “conversê new” para a Polícia e o Sr. Tempo-Razão? Afinal, os versos de Zé Eliomar de Guripi (TO) são mais interessantes:

    “Tá fechando sete tempo
    Qui mia vida é camiá
    pulas istradas do mundo, dia e noite sem pará
    Já visitei os sete rêno, adonde eu tia qui cantá
    Sete didal de veneno, traguei sem pestanejá
    Mais duras penas só eu veno
    Ôtro cristão prá suportá
    Sô irirmão do sufrimento
    de pauta vea c’a dô
    Aajuntei no isquicimento
    o qui o baldono guardô
    Meus meste a istrada e o vento”

    Saudações acadêmicas bicentenárias,

    Tavares-Neto
    Medicina (FMB-UFBA)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: