641 – Ex-diretoria da APUB meteu a mão na grana!

Para o Saci, o que a ex-diretoria da APUB vai ter que devolver à entidade, não não tá no gibi!…

.

.

.

uem leu o jornal A Tarde pôde ver o despautério da ex-diretoria deposta da APUB pela Assembleia. Agora, além de manter a sede fechada, para não se encontrar com o oficial de justiça, conforme se comenta à boca pequena, resolveu dilapidar os recursos dos filados com editais caríssimos.

Você pode estar pensando: “Ué! Mas não é esse o caminha para se convocar uma Assembleia?” Pois é, Colega. Deveria ser, se fosse Assembleia. Só que é, pasme, simplesmente uma votação virtual!

– Sacou como os caras piraram de vez? – indaga o Saci –  Deu para entender como eles estão agindo?

Sem esperar que você responda algo, ele já vai logo adiantando suas conclusões:

– Portanto, se a conta do anúncio publicado no jornal A Tarde não for para o MEC, mentor da “coisa” Proifes, adivinhe quem a pagará?

E aí o Prof. Francisco Santana pergunta e ele mesmo responde rapidamente:

– O comando de greve ou a diretoria interventora já processou a ex-diretoria por crime de formação de quadrilha? Não.

– O comando de greve ou a diretoria interventora já pediu auditoria na APUB? Não.

– O comando de greve ou a diretoria interventora já pediram a extinção do processo de formação de APUB-sindicato estadual?  Não.

– O comando de greve ou a diretoria interventora já declararam nula a assembléia permanente de 2006, por fraude? Não.

– O comando de greve ou a diretoria interventora já informaram ao TRT-5ª região que a ex-diretoria não representa mais a APUB e que a atual diretoria não quer recorrer da sentetença do TRT sobre o plebiscito? Não.

Então não há o que reclamar.

Faça-se de cordeiro e logo aparecerão lobos em sua volta (dá uma boa charge do Saci).

——————————

E o Saci não se fez de rogado:

Anúncios

Uma resposta to “641 – Ex-diretoria da APUB meteu a mão na grana!”

  1. Menandro Ramos Says:

    Circulou nas listas da UFBA:

    —————————-

    CUMPRIMENTOS!!

    Em que contexto se insere a movimentação dos proifianos convocando plebiscito, reuniões para término da greve? A exigência do capital ao PT e agregados antes da assunção ao poder há 10 anos, entre outras, foi a subordinação e controle dos movimentos sociais e dos sindicatos. Montou-se a estratégia e executou-se ações com vistas a utilizar os sindicatos como correia de transmissão, aparelhos para apoiar e cumprir os desígnios do poder.

    A insubordinação dos trabalhadores nesse 2012 é um acinte para o poder. A perda do aparelho APUB que vinha cumprindo esse papel à risca, um golpe. Daí ações diversas vão ser encetadas tanto para manter o aparelho quanto para cumprir ideário colaboracionista.

    A movimentação proifiana pelo plebiscito, atropelando decisão judicial, busca, além de acabar a greve que desgasta e mostra a face intransigente e anti-social do poder, prestar contas ás exigências de Brasília e de Porto Alegre e justificar-se com os apoiadores, em especial os falcões locais, mostrando serviço. A cobrança também envolveu e envolve os prepostos de unidades que convocaram reuniões, não para discutir os graves problemas das IFEs (ah! nem olharam a pauta local) e o por que de sermos obrigados a realizar greve, mas para enfraquecer a luta, derrotar a união.

    Candidato a governador em São Paulo o ministro da Educação vai se licenciar para entrar na campanha paulista, conforme noticiou a Tribuna da Bahia semana passada. Isso preocupou o proifes? Preocupa quem assume a negociação com os docentes e a gestão dos graves problemas da pasta? Conforme A Tarde (31/8/12, pg. B1) o governo incluiu na proposta de orçamento desonerações de R$ 15,2 bilhões às quais devem se somar as que vêm sendo sistematicamente feitas. Algum proifiano comentou, reclamou?

    Da parte do movimento dos professores, autônomo e independente, cabe estreitar a união, solidariedade e organização com vistas a garantir a recolocar o sindicato APUB como representação dos trabalhadores docentes da UFBA e ampliar a pressão nacional por negociações, consciente das profundas limitações do projeto deste governo que amplia a desestruturação da carreira, parcela o reajuste que vai ser negativo para colegas que realizam trabalhos iguais, penaliza os que abraçam a carreira e sequer considerou a problemática das condições de trabalho!

    Um convite a reforçar a organização social dos docentes!

    altino

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: