726 – Fonte Nova inalcançável!

 

Ainda não foi dessa vez: a força policial pró-capital impediu que a manifestação pacífica chegasse até a Fonte Nova.

Ainda não foi dessa vez: a força policial pró-capital impediu que a manifestação pacífica chegasse até a Fonte Nova.

Anúncios

3 Respostas to “726 – Fonte Nova inalcançável!”

  1. osaciperere Says:

    Circulou na “debates-l”:
    ———————————–

    Dilma!!! FIFA!!! Nós não queremos a Copa do mundo!!!!

    Às 14h00 do dia 20/06/2013, cerca de 30.000 pessoas reuniram-se no Campo Grande e marcharam pelo Politeama rumo à Fonte Nova. Na rotatória da Avenida Centenário um pelotão enfileirado (amedrontado) não deixou a multidão aproximar-se mais que 100m, passando a atirar uma bomba de gás lacrimogênio cuja fumaça arde violentamente no rosto e bombas ensurdecedoras…A polícia de ACM Neto (Democratas) e Jacques Wagner (PT) foi eficientíssima e impediu que jovens, senhores, senhoras, crianças, mulheres, professores, médicos, bancários, engenheiros, estudantes… Cidadãos… Todos desarmados, com cartazes feitos com cartolina nas mãos, se aproximassem do Estádio da Fonte Nova…Os que tinham dúvida, aprenderam com a greve de 2012 e com as manifestações de 2013 que o sistema político não atende aos nossos interesses, mas apenas aos interesses dos que estão ganhando muito dinheiro nos explorando…Agora tenho certeza: FIFA, o povo brasileiro não quer a Copa!!! Aprendeu que COPA é sinônimo de limitação do direito de ir e vir…

    Que é sinônimo de carestia… Que é sinônimo de polícia violenta agredindo uma população pacífica e desarmada… Dilma que foi torturada nos porões da Ditadura, o povo pacífico que marchou hoje não quer de volta a ditadura…

    Fora FIFA!!! Nós não queremos a copa…

    [Profa. Elza Peixoto – FACED/UFBA]

    • osaciperere Says:

      Circulou nas listas da UFBA:
      ——————————————-
      Prezada colega,

      Infelizmente estou em dúvida quanto à caracterização desse sistema praticado no Brasil. Coronelismo? Feudalismo? Ditadura? Talvez um pouco de cada.

      República das Bananas, certamente!!!! Para os que estão no poder, quanto menos educação, melhor!

      Fora Copa!

      Fora banditismo! Seja lá de que partido for.

      Sds,
      Stella Barrouin.

  2. Francisco Santana Says:

    A ação da polícia lembrou-me os tempos das décadas de 60/70, da polícia comandada pelo Capitão Etiene (que o governador Wladir Pires promoveu a Coronel, apesar dele além de ser um símbolo da repressão da ditadura ter também uma ficha suja por indisciplina), de ACM etc.

    O simples fato da polícia ter jogado uma bomba de gás lacrimogênio dentro de uma casa onde trabalhava uma família sob pretexto de atingir manifestantes que ali se refugiavam demonstra que a ordem não era barrar só a passagem para a fonte nova, a ordem era dissolver a passeata através da força contra os manifestantes como na época da ditadura.

    Outra cena que prova isso, foi a do primeiro confronto da polícia com os manifestantes Os manifestantes vinham pela Joana Angélica em direção à Fonte Nova, numa clara ação contra a inconstitucional distãncia FIFA padrão. Já a polícia tinha ordem de impedir essa passagem Há portanto aqui um ponto incinciliável de ambas as partes.

    Mas a polícia não se limitou à ordem de impedir só a passagem que seria o tolerável. Não é o fato de jogar bombas e atirar balas de borracha que caracteriza a violência e a declaração de guerra da polícia. É que no primeiro momento que a polícia atirou as bombas, os manifestantes pararam e recuaram. Aí a polícia deveria ter ficado na mesma posição e aguardado uma segunda investida dos manifestantes se houvesse e novamente atirar. Mas não! A políca avançou em perseguição aos manifestantes para dissolver a passeata custasse o que custasse inclusive molestando os moradores locais e transeuntes que nada tinham a ver com a manifestação.

    Ficou provado que a ordem não era só defender o patrimõnio nem impedir a passsagem à fonte nova. Ou então os policiais ainda não reprogamaram sua ação para os tempos democráticos.

    E, como dizia Isac Newton, a toda ação corresponde uma reação no sentido contrário e com a mesma grandeza, institucionalizou-se a violência.

    Compare-se as cenas da Bahia com as de outros estados e verão que a polícia mais despreparada e truculenta, seja por culpa das autoridades superiores ou não foi a do Sr. Jaques Wagner. Conseguiu supera Alkymin no primeiro dia de manifestação.

    Quando Brizola foi governador do Rio, a segunda vez, ele se viu numa sinuca de Bico. O leilão de uma das estatais foi feito no Rio de janeiro e Brizola era contra essa privatização. Mas ao mesmo tempo como autoridade estadual ele tinha que dar a proteção ao leilão conforme manda a constituição (aliás o governo Itamar e o exército estavam atrás de um pretexto para intervir no seu governo). Ele cumpriu essa sua obrigação sem poder ser acusado de violência contra os manifestnates que queriam inviabilizar o Leilão. Por sua orientação e dos seus auxiliares da área de segurança, seguiram a tática de evitar ao máximo o contato do manifestante com o policial.

    Foram criadas duas barreiras bem construídas. O manifestante não poderia ultrapassar a primeira barreira e o policial ficava atrás da seunda barreira só podendo entrar em confronto dentro do fosso entre as duas barreiras. Resultado do confronto.

    Cerca de 50 baixas na polícia proveniente de pedras atiradas de longe. Baixas entre os manifestantes, 15 entre os que conseguiram pular a primeira barreira.

    Nem puderam acusar a polícia de Brizola de excessos e nem de negligência no cumprimento do dever.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: