924 – A sofrida cruz do HUPES

.

CRUZ-DO-HUPES

.

Q.

.

ue se registrem as preocupações com o destino da UFBA e das suas células – manifestadas na lista “debates-l”. São muitos os temores que emergem dos contextos vividos: Privatizar, semiprimatizar ou não privatizar? Minimizar ou não a importância do Juramento de Hipócrates, tão recitado nas solenidades de formatura dos cursos de Medicina? Resignar-se ou não diante do peso cada vez maior da mercantilização da Saúde? Abrir mão ou não da autonomia universitária em nome da ingerência dos partidos políticos no meio acadêmico?

Preguntas, perguntas, perguntas.

.

Prezados Colegas Professores 

Venho através deste me alinhar aos pensamentos de Dra. Glória Bonfim e de Professor José Tavares Neto direcionados para todos nestes últimos dias, em especial para a excelentíssima Diretora da FMB, Profa Dra Lorene Pinto.

Inicialmente gostaria de me apresentar e de fazer um histórico resumido da minha especialidade no HUPES.

Meu nome é Marcus Borba, sou cirurgião-dentista egresso pela FOUFBA (1994), médico, Cirurgião de Cabeça e Pescoço formado pelo Instituto Nacional do Câncer (2003), professor substituto de Técnica Operatória nos anos de 2009 e 2010, cirurgião de cabeça e pescoço voluntário no HUPES em 2008 e 2009 e professor Adjunto I do DCEEC desde 2010. A Cirurgia de Cabeça e Pescoço funciona no HUPES nos últimos 15 anos pelos esforços hercúleos de um colega chamado Paulo Guilherme Mettig Rocha, aprovado, mas não convocado em concurso na FMB em 1997 e que por muitos anos também serviu voluntariamente a essa casa regularmente no ambulatório e centro cirúrgico. Chegamos a ter na minha época de voluntariado dois acanhados turnos semanais de cirurgia e que desde o início da esperada reforma do centro cirúrgico se resume a apenas um turno semanal, às vezes dividido com outra, não menos importante, especialidade. Esse quadro faz com que os candidatos à cirurgia do nosso ambulatório, a maioria mulheres com tumores de tireóide, se acumule e integre uma lista de espera com tempo estimado até a cirurgia de dois anos. Desde o meu reingresso oficial como docente, junto com Dr. Paulo Mettig, conseguimos junto à antiga diretoria a oficialização do Serviço de Cirurgia de cabeça e pescoço e a nomeação de nós dois como médicos integrantes do serviço e a de Dr. Paulo como coordenador do mesmo. Segundo palavras do ex-diretor, isso se fazia necessário, pois “serviço de um só não era serviço”. Corroborando nossa vontade de solidificar nossas bases na Faculdade e no HUPES, integrando-os, conseguimos a aprovação da Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (MED C11) e esperamos ter os primeiros alunos cursando-a a partir de março e quem sabe dividindo um pouquinho as atenções com Neymar e companhia. Segundo Dr. Paulo Mettig, que nos lê em cópia, o antigo diretor nos assegurou que a nossa especialidade, o Serviço de CCP e a disciplina da UFBA MED C11, iriam ser valorizados neste certame da EBSERH, tendo pelo menos três vagas para fortalecimento do quadro. Nada mais justo para uma especialidade que trata uma das neoplasias malignas que mais cresce em incidência no Brasil, o câncer de tireóide e cuja demanda ambulatorial retrata exatamente esse panorama.  Ademais, segundo dados do INCA, o Câncer de tireóide chega a ser a terceira malignidade mais comum, excetuando os tumores de pele não melanoma, em alguns estados do Nordeste.

Com tudo isso, nos parece estranho que essa valorização não tenha ocorrido neste edital, onde apenas uma vaga foi prevista para cirurgia de cabeça e pescoço, diferente, por exemplo, do que ocorreu com o edital da EBSERH vigente em Aracaju (SE), onde a Cirurgia de Cabeça e Pescoço foi contemplada com duas vagas.

Outro aspecto que gera indagações é que, ao menos para mim, além dos profissionais da FAPEX, que sempre se dedicaram ao HUPES, os docentes da FMB também tiveram nenhuma espécie de valorização no edital, o que pode gerar situações estranhas no futuro, inclusive de todos os planos de consolidação de ensino e assistência na especialidade, além dos anos de dedicação e empenho serem desprezados pela futura gestora. Creio que podem existir outros colegas, serviços e disciplinas passando pela mesma situação e ostentando os mesmos receios e dúvidas.

Saudações a todos
Marcus Borba

————————————————————————–

Em 24 de fevereiro de 2014 14:12, Prof. José Tavares-Neto <jtavarescneto@gmail.com> escreveu:

Prezada Colega, Profa. Glória Bomfim – Coordenadora Médica do Serviço de Oncohematologia/TMO – Complexo HUPES/UFBA.

Também li as manifestações dos Colegas Profs. Marco Aurélio Salvino, Raymundo Paraná, Marcelo Benício e, em mensagem pessoal, da Profa. Nayara Argollo. Por isso, direciono esta mensagem aqueles com potenciais informações em razão de contato institucional com EBSERH (Diretor pro tempore do Complexo HUPES, Prof. Moysés Sadigursky; e Chefe de Gabinete da Reitora, Prof. Fernando Rêgo), porque esses talvez tenham maiores esclarecimentos quanto ao número e à distribuição de vagas desse concurso, no total de 1.328 vagas (nos 3 editais relacionados ao Complexo HUPES) – S. M. J., número solicitado pela ex Diretoria foi de 1.773 vagas. Em razão dessa última dúvida, seria útil se ex Diretor do Complexo HUPES, Prof. Hugo Ribeiro Junior, fornecesse  distribuição e número de vagas (e total) requeridos à EBSERH em agosto (?) de 2013, para ser possível melhor comparar com dados fornecidos nos 3 Editais, e, se houve redução do número de vagas e ou alteração na distribuição requerida, se sabe as razões dessas mudanças.

Ademais, como a prova objetiva é dia 11 de maio p., há etapa de avaliação da experiência profissional e ou títulos, mês de junho ficou “destinado” à COPA   e item 12 do Edital (Contratação) é omisso quanto períodos da contratação e da posse, será possível conclusão desse certame até 5 de julho, quando legislação eleitoral limita esse feito?

Por essas dúvidas, não caberia, em comum acordo com a EBSERH, uma Nota Pública da UFBA?

Saudações acadêmicas e humanitárias,

José Tavares-Neto
Médico do Complexo Hospitalar Universitário Prof. Edgard Santos

Professor Associado IV da Faculdade de Medicina da Bahia (FMB), do Departamento de Medicina Interna e Apoio Diagnóstico (DEPMD)
Universidade Federal da Bahia (UFBA)
http://lattes.cnpq.br/6901204321244736 

—————————————————————————————-

Em 24 de fevereiro de 2014 11:03, gloria bomfim <gbomfim.arruda@gmail.com> escreveu:

Prezados colegas,

Ao longo deste processo de definição das necessidades de vagas para o serviço de Hematologia, tenho a dizer que em uns 3 momentos informamos o quantitativo total de profissionais para uma estimativa informada pela diretoria de 500 leitos do HUPES.  Infelizmente o edital não contemplou a real necessidade do Serviço de Hematologia, a exemplo de apenas 4 vagas para médicos hematologistas, quando hoje, sem considerar perspectiva de crescimento,  tenho 9 hematologistas FAPEX.  O edital saiu com muitas incoerências , vagas para serviços inexistentes (ONCOLOGIA – 4 vagas), que não irão começar em lugar nenhum , pois não há e não tem perspectiva a médio prazo de haver serviço de oncologia (tumores sólidos) no HUPES.

Lamento assistir esta situação que ameaça a manutenção de muitos serviços. O Serviço de Hematologia foi e tem sido importante na assistência e ensino desta área dentro do HUPES. Toda esta caminhada , com quase 150 transplantes de medula óssea (em 2,5 anos de funcionamento), assistência a pacientes com leucemias agudas e demais hemopatias malignas e benignas (com 100% de ocupação dos leitos) , com uma demanda imensa  na rede pública reprimida, terá que reduzir suas atividades e nem sequer pensar em crescer.

Entendo que o hospital terá que crescer em àreas que são ineficientes e outras que não existem, porém não entendo a contratação de profissionais para áreas ainda sem serviço em funcionamento,  antes de se considerar os serviços produtivos  e aqueles que precisam de reforço.

Lamento também não se considerar todos aqueles profissionais que hoje fazem funcionar os vários serviços do HUPES. Esperava ver uma pontuação significativa para o tempo de dedicação ao hospital ao longo destes anos (falo em relação aos profissionais FAPEX ). Não houve um detalhamento do perfil dos profissionais para serem adequadamente absorvidos pelos serviços.

Uma grande tristeza assistir tudo isso…

Gloria Bomfim

Coordenadora médica do Serviço de Oncohematologia/TMO

HUPES/UFBa

—————————————————————-

Em domingo, 23 de fevereiro de 2014, Lorene Pinto <lorenepinto@gmail.com> escreveu:

Prezados

Encaminho para conhecimento e divulgação o Edital para os concursos do HUPES e MCO.

Esclareço que  o dimensionamento de pessoal foi feito pelas diretorias e equipes das unidades e da EBSERH-MEC, segundo informações dos diretores.

Não foram discutidos nos respectivos conselhos, por isso não sei dar detalhes conforme me solicitaram.Talvez os docentes que chefiam serviços nestes hospitais possam dar mais informações.
Vejam os editais no site www.iades.com.br

Atenciosamente
Lorene Louise Silva Pinto
Diretora
Faculdade de Medicina da Bahia (FMB)
Universidade Federal da Bahia (UFBA)
TEL 55 71 3283 5560/5561
http://lattes.cnpq.br/6684055327026903

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: