• A viagem da APUB a Barreiras

.

Menandro Ramos
Prof. da FACED/UFBA 

– Pasme, chefe! A APUB viajou para Barreiras!

 – A APUB? – indaguei incrédulo, julgando ser mais uma das suas tiradas de molequeira.

 – Sim, a APUB! Quer dizer, o seu presidente. Mas dá no mesmo. Afinal, L’Estat c’est moi, uai!

Antes de me debandar para uma consulta médica – suando feito um político denunciado por esconder dinheiro na cueca -, ainda ouvi do Saci outras ponderações sobre a importante viagem do dirigente sindical ao centro-oeste baiano.

Algum tempo depois, já acomodado no ônibus executivo, ou no popular “frescão”, gozando do friozinho que me esfriava a cabeça, fiquei pensando na incomum capacidade do meu amigo analisar situações políticas. O moleque é incrível mesmo. Para ele, o presidente da APUB está tão sem graça, diante de tantas denúncias contra sua truculência, que agora resolveu jogar mais soft e “acompanhar de perto a situação, vivenciada pelos nossos colegas em Barreiras” conforme noticiou o boletim da  APUB.

De acordo com o meu amigo e sagaz observador, a “Realização de um café da manhã (grifo meu), no qual a APUB, por meio do presidente” esteve presente, talvez tenha se coadunado mais com o espírito festivo da atual diretoria, sem falar que era mil vezes mais elegante (huumm! e deveras apetitoso!) do que partir logo para o confronto.

Quanto à “Reunião com lideranças do Campus e com a prefeita da cidade, Jusmari Oliveira (PR), para reivindicar a recuperação da ponte”, meu amigo acha que foi uma medida acertada, oportuna e, sobretudo, muito corajosa.

Enquanto o ônibus passava pela porta do Palácio da Reitoria da UFBA, não pude deixar de me lembrar de sua expressão professoral e do seu semblante carrancudo:

– É isso aí, chefe! O presidente Isolpi tinha que reivindicar mesmo com energia e firmeza. E depois, se um dia o colendo presidente da APUB resolver sair das cobranças da esfera municipal interiorana e partir para as reivindicações nas esferas mais complexas e milindrosas, como a da administração da UFBA ou a do governo do Estado, ou mesmo a do MEC – por que não? -, já sabe, ao menos, os procedimentos…

Anúncios

2 Respostas to “• A viagem da APUB a Barreiras”

  1. osaciperere Says:

    A nota postada na”apub-l”:
    ————

    Salvador-BA, 19 de março de 2010

    Prezados professores,

    A APUB viajou a Barreiras, no sábado (13), para acompanhar de perto a situação, vivenciada pelos nossos colegas em Barreiras, no Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável (ICADS), no Campus da Prainha, localizado na periferia da cidade, cujo acesso de 123 professores, 35 técnicos e 1.100 alunos, matriculados nos 12 cursos da UFBA, é realizado através de uma precária ponte de madeira sobre o Rio de Ondas, colocando em risco a vida dos transeuntes.

    Os professores, revoltados com a falta de medidas urgenciais, reivindicadas, desde 2007, através do encaminhamento de 17 ofícios ao poder público municipal, iniciaram uma mobilização no dia 11 de março, com o apoio dos 35 técnicos do Campus, prolongada até que a ponte esteja em condições seguras para o trânsito.

    Desta maneira, a presença da APUB, solicitada pelos docentes, aconteceu da seguinte forma na segunda-feira (15):

    – Realização de um café da manhã, no qual a APUB, por meio o presidente, Israel Pinheiro, dialogou com professores, funcionários técnicos e estudantes. Na ocasião, a APUB reforçou a importância do movimento, colocando ações estratégicas, como a não desocupação, dando continuidade à realização de atividades internas. A importância e a utilidade pública dessa pauta atraíram as atenções de veículos de comunicação, TV Oeste (Globo local) e a Rádio Barreiras.

    – Em outra reunião com os professores, Israel Pinheiro aproveitou o momento, para tratar de questões internas, próprias dos docentes, a exemplo do Movimento Docente Nacional; questões da APUB em pauta e a eleição na reitoria.

    – Reunião com lideranças do Campus e com a prefeita da cidade, Jusmari Oliveira (PR), para reivindicar a recuperação da ponte. Na ocasião, Jusmari se comprometeu a fazer o conserto da estrutura até a abertura das licitações para construção de uma nova ponte; a revestir as estradas de acesso, com britas para amenizar os problemas excessivos com poeira em épocas de estiagem e lama e atolamentos nos períodos de chuva; além de garantir contato com o 4º Batalhão de Engenharia e Construção – 4º BEC – para providência de uma ponte provisória para encurtar o trajeto dos transeuntes, de 26km, via estrada, para 3 km, via ponte. Esta, a partir da interdição feita no dia 17, passará por consertos, durante uma semana e terá acesso liberado, somente após autorização de técnicos da prefeitura.

    – Pediu audiência com o Reitor, Naomar Almeida, para que ele possa reforçar com o Governo do Estado o compromisso e garantir a construção de uma nova ponte.

    Atenciosamente,

    Israel Pinheiro
    Presidente da APUB

  2. Greve com direção pelega? « Blog do Saci-Pererê Says:

    […] sindicais, é de causar estranhamento. Mas, como já foi mencionado em outro texto deste blog (veja) quem sabe, constitua aprendizado para ações futuras caso queira ir além das […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: