– Greve na UFBA: uma pressão inevitável

Entre outra coisas, nesta entrevista, o Saci explicou a origem do Proifes governista.

Entre outras coisas, na entrevista abaixo, o Saci explicou a origem e o ocaso do Proifes governista.

.

uem esteve presente ao 43º Encontro da Regional Nordeste III Andes-SN, realizado nos dias 30 e 31 de março, na Faculdade de Educação, certamente, compreendeu melhor a razão de os recursos da União serem tão minguados para a Educação Pública brasileira, entre outras necessidades sociais. De forma didática, a auditora fiscal aposentada, e uma das mentora da Auditoria da Dívida Externa, Maria Lúcia Fatorelli explicitou as questões ligadas ao pagamento da dívida interna e externa do Brasil no governo Lula, verdadeiros sorvedouros do orçamento da União.

No clima propício para falar acerca desses assuntos, na iminência de um greve geral por tempo indeterminado a ser deflagrada pelas instituições federais de ensino superior, o meu amigo Saci-Pererê, simpatizante do movimento da base sindicalizada dos professores da UFBA, concedeu, do alto da sua cadeira predileta de três pernas,  uma entrevista à sua amiga e aspirante de repórter, a simpática Vaca-Tatá, inquieta inquiridora do vir-a-ser ou do movimento do real. Confira, Leitor (a):

Vaca-Tatá: Saci, é verdade  os docentes das instituições federais de ensino superior (IFES) entram em greve? Se isso é verdade, quando e por que a greve irá acontecer?

Saci-Pererê da UFBA: Sim, é verdade, e acontecerá a partir do dia 17 de maio, na próxima quinta-feira. Houve um chamamento do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais para esta data, elegendo-a como dia nacional de lutas, com manifestações em todos os Estados da Federação, inclusive do ANDES, o único sindicato nacional  da categoria dos docentes de ensino superior.

Vaca-Tatá: Há outras reinvindicações dos docentes? O governo não já concedeu os 4% de aumento aos professores?

Saci-Pererê da UFBA: Sim. Os professores têm como foco principal a reestruturação da carreira docente que, aliás, já havia sido prevista em acordo firmado com o governo federal em 2011. Como a educação não está no rol das suas prioridades, o governo, simplesmente, deu uma de “esquecido” e agora precisa ser lembrado na base da pressão… Assim, os professores estão reivindicando a carreira única com incorporação das gratificações em 13 níveis remuneratórios, com variação de 5% entre os níveis. Além disso, os professores querem a valorização e melhoria das condições de trabalho nas Universidades e Institutos Federais, e atendimento das reivindicações específicas de cada instituição. É sabido que as instituições federais estão cada vez mais precarizadas, principalmente nos campi criados com a expansão via Reuni. Por exemplo, só para se ter uma ideia, em alguns cursos de Medicina, os estudantes não dispõem sequer de cadáveres para realizarem seus estudos…

Vaca-Tatá:  A diretoria da APUB, em nota oficial no site e através de mensagem enviada aos docentes da UFBA, chama atenção “para a ação de um pequeno grupo de oposição à diretoria, que de forma irresponsável, usa de modo indevido a marca da nossa entidade representativa, com o intuito deliberado de confundir e trazer transtornos à vida acadêmica”.

Saci-Pererê da UFBA: De fato, a diretoria da APUB vem tocando essa música de uma nota só… Durante muito tempo os professores da UFBA ficaram numa espécie de estado de letargia. Os oito anos do reitorado anterior foram de desconstrução do movimento docente na Universidade Federal da Bahia, através da tal “flexibilização” da seção sindical. Foram muitos convênios firmados com prestadoras de serviços e também muitas festas realizadas. A APUB virou sinônimo de clube recreativo ou de entidade assistencialista. Tudo isso pensado, talvez, por um ideólogo do entretenimento. Até um “Camarote da Educação” foi criado no point dos endinheirados do Carnaval de Ondina, ao lado de megaempreendimentos de empresas que atuam durante os eventos momescos. Mas esta história é um pouco longa… Vamos ao que interessa. Recentemente, a base do sindicato, como que saindo de um encantamento, resolveu se manifestar, denunciando os desvios da entidade sindical. E aí a diretoria da APUB entrou em polvorosa e começou a desqualificar o movimento insurgente, intitulado APUB-LUTA OPOSIÇÃO SINDICAL.

Vaca-Tatá: Esse movimento é contra festas?  Parece que alguns professores apreciam muito as diversões…

Saci-Pererê da UFBA: Absolutamente! Ninguém pode ser contrário a celebrações. O ser humano gosta e precisa da ludicidade. Entretanto, o entretenimento não pode ser o foco principal de uma entidade sindical. Um sindicato de trabalhadores tem por função precípua lutar pelos interesses da categoria. E não foi isso que aconteceu nos últimos tempos. A prova está aí. A precarização do trabalho docente salta aos olhos de quem quiser enxergar.

Vaca-Tatá: E essa confusão de ser ANDES ou ser Proifes? Muitos professores estão confusos…

Saci-Pererê da UFBA: Pois é. Ser ou não ser: eis a questão. De fato, fizeram questão de tumultuar o meio do campo, para confundir o eleitor… O caso é o seguinte. No início do primeiro mandato de Lula, o ANDES – Sindicato Nacional, diante da reforma da Previdência, para alguns contrarreforma, e de outras posições do governo contrárias aos interesses dos trabalhadores, começou a posicionar-se de forma crítica. Nessa época a APUB, enquanto seção sindical do ANDES-SN, manifestou-se também criticamente em sintonia com o Sindicato Nacional.

Vaca-Tatá:  Quem presidia a APUB era o Prof. Israel Pinheiro?

Saci-Pererê da UFBA:  Não. Se fosse o citado professor, a sintonia com o governo seria plena… Quem estava na presidência da APUB nessa época era o Prof. Antônio Câmara, conhecido pelas suas posições firmes em defesa do trabalhador. A partir daí, a diretoria da APUB nunca mais foi a mesma. De lá pra cá, os laços com a reitoria da UFBA e com o MEC foram ficando cada vez mais estreitos, a ponto de ex-dirigentes da APUB, ao deixarem a direção da entidade, irem ocupar cargos na direção central da Universidade…

Vaca-Tatá:  Isso fragilizou o movimento docente na UFBA?

Saci-Pererê da UFBA: Não só isso, mas o fato de haver a ingerência de partidos políticos apoiadores do governo na condução da UFBA e o fato de as representações dos docentes e dos técnicos-administrativos terem ligações com o aparato partidário. A representação estudantil, por sua vez, inclinou-se a apoiar o governo. E o bicho pegou feio.

Vaca-Tatá: Mas, onde o Proifes entrou nessa história.

Saci-Pererê da UFBA:  Então… A partir das primeiras ações do governo Lula contra os trabalhadores, o ANDES-SN acabou se desligando da CUT, que apoiava incondicionalmente o governo. Lembra-se de onde se originou um dos ministro do Trabalho – e depois da Previdência -,  do Governo Lula? Pois é. O Luiz Marinho tinha vindo da presidência da CUT… Ora, ao se desligar da CUT, o ANDES-SN desobrigou-se também de repassar àquela central sindical as contribuições financeiras.

Vaca-Tatá: E qual foi a reação do governo?

Saci-Pererê da UFBA: É fácil de imaginar. Foi nessa época que o ex-presidente Lula ameaçou jogar a opinião pública contra os servidores públicos. O então ministro José Dirceu chegou a anunciar: “ O pau vai comer!”.

Vaca-Tatá: E jogou?

Saci-Pererê da UFBA: Optou-se por um jogo mais astucioso. Na dissidência do ANDES-SN havia um grupo com o DNA governista. Esse grupo constituiu-se o núcleo duro do Proifes e acabou tendo repercussão na diretoria da APUB. A questão do repasse da contribuição financeira à CUT foi resolvida: em vez de destinar os referidos recursos ao ANDES-SN, a APUB passou a contribuir com a CUT e engendrou o tal plebiscito fajuto para desfiliar-se do ANDES – Sindicato Nacional.

Vaca-Tatá: Quer dizer, então, que a APUB não tem mais ligação com o ANDES-SN?

Saci-Pererê da UFBA: Isso é o que a atual diretoria da APUB diz para confundir os docentes da UFBA. O tempo inteiro essa diretoria que aí está escondeu que o plebiscito foi anulado pela Justiça do Trabalho, em decorrência de uma ação movida pelo Prof. Francisco Santana, alegando vícios e equívocos durante o processo eleitoral. Como se não bastasse, o Supremo Tribunal Federal acabou de proclamar o ANDES-SN como o representante dos docentes das instituições de ensino superior, com base na Constituição Federal de 05 de outubro de 1988, que afirma a unicidade sindical, ou seja,  a existência de um único sindicato representativo de um mesmo grupo de trabalhadores ou de empresários numa mesma região, conforme o disposto no art.8, II: “é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em qualquer grau, representativa de categoria profissional ou econômica, na mesma base territorial, que será definida pelos trabalhadores ou empregadores interessados, não podendo ser inferior à área de um município.”

Vaca-Tatá:  Nesse caso, o Proifes deixa de existir?

Saci-Pererê da UFBA: Como entidade sindical, sim. Totalmente. Mas pode existir como fórum de alguma coisa, como clube recreativo, como associação beneficente – ou maleficente! E por aí vai.

4 Respostas to “– Greve na UFBA: uma pressão inevitável”

  1. Marciel Viana Says:

    Então… a UFBA vai aderir a greve ou não…?

    • Menandro Ramos Says:

      Prezado Marciel,

      Parece que a diretoria da APUB insiste em não querer ver a banda passar. Enquanto no país inteiro há um movimento para pressionar o governo, os doutos dirigentes assumem despudoradamente a contramão da história do movimento docente.

      Repare que só ontem, dia 15 de maio, anunciaram a assembleia da categoria. E, assim mesmo, com uma pauta bem light: negociação da carreira com o governo; teses para CECUT e CONCUT; aquisição da sede própria da APUB. Coincidentemente, o último ponto de pauta surge exatamente no momento em que o STJ diz que o ANDES-SN é o único representante dos docentes das instituições de ensino superior… Apesar da morte anunciada do Proifes, enquanto sindicato, ainda insiste a diretoria em mencioná-lo como referência…

      Como a referida diretoria se acha no direito de achincalhar do desejo de participação uma fração expressiva da base da APUB ao chamamento do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais, inclusive do apelo do ANDES-SN, mais uma vez, insistimos, o único sindicato nacional da categoria dos docentes de ensino superior, essa mesma base se sente com a legitimidade, reafirmada em plenárias de docentes, de organizar a mobilização e paralisação do dia 17.

      Já que a diretoria da APUB teima em esperar por Godot na estação do governo, quero crer que a APUB-OPOSIÇÃO SINDICAL assumirá o que lhe é de direito, ou seja, o direito de lutar para que a categoria seja respeitada.

      Em suma, está de pé a mobilisação e paralização do dia 17 de maio. Solicitamos aos colegas que participem conosco desse esforço em favor da categoria. Claro que os “fura-movimento” terão toda liberdade para dar suas aulas e fazer companhia à diretoria da APUB na sua opção pelas boas relações com os labirintos do MEC. Afinal, a referida diretoria deve ter suas boas razões…

      Que todos também participemos da Assembleia chamada pela direção da APUB, no dia 25 de maio. Resta só torcer para que não seja realizada no exíguo espaço da casinha da Rua Padre Feijó, como ocorreu na vez passada. A menos que limitem a participação para 30 ou 40 docentes (de um universo de mais de dois mil!) por ordem de chegada.

      À LUTA, pois!

  2. Antonio Carlos Says:

    O saci é o pestinha mais inteligente e gozador que a ufba ja produziu nas ultimas decadas. Ja to viciado nele. Sera que este cachimbo tem alguma coisa que cria dependecia rss.
    Todo dia quero saber o que ele aprontou.

    Parhabens ao seu criador!

  3. Fabianne Says:

    Olá, professor!
    Esse seu amigo Saci é muito sábio mesmo. Ainda bem que ele está aqui para nos comunicar a real situação na UFBA.

    OBS: Finalmente os pelegos estão começando a ser desmascarados!

    Um grande abraço.

Deixe uma resposta para Menandro Ramos Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: