– APUB encurralada!

Prof. Francisco Santana

 

Exijo direito de resposta no mesmo espaço.

OS ATALHOS DA DIRETORIA DA APUB

 

Parece que os diretores da APUB não aprenderam nada nem com a CPI dos Correios nem com a do mensalão. Aliás não aprenderam nem com a recente intervenção no Plano de Saúde da APUB e nem com a operação jaleco branco na Reitoria.

CITANDO:

“O que podemos afirmar, com tranqüila segurança, é que fora da democracia e da Constituição qualquer solução será frágil e transitória. Nosso país, que sofreu tantas vezes sob regimes autoritários de variada inspiração ideológica, tem aprendido, aos poucos, a lição da democracia. No regime democrático, a solução dos problemas será lenta e difícil, mas virá. As soluções fáceis, na maioria das vezes, são os atalhos do autoritarismo e do salvacionismo.”(Do relatório final da CPI dos Correios, em 29/3/2006).

“Nem sob os anos da ditadura a direita conseguiu desmoralizar a esquerda como esse núcleo petista fez em tão pouco tempo. Na ditadura, apesar de todo sofrimento, perseguições, prisões, assassinatos, saímos de cabeça erguida e certos de que tínhamos contribuído para a redemocratização do país. Agora, não. Esses dirigentes desmoralizaram o partido e respingaram lama por toda a esquerda brasileira.”(Frei Betto, amigo histórico de Lula, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, em 24/8/2005).

Vejamos alguns dos atalhos seguidos pela APUB na tentativa de se tornar Sindicato estadual.

1º atalho) – O art. 17 do regimento exige para se mudar o regimento o número de votos de 50% + 1 dos associados presentes em assembléia, devidamente convocada para esse fim. Então numa assembléia de cerca de sessenta pessoas, a diretoria da APUB aprovou a instalação da figura de uma Assembléia Permanente para ardilosamente driblar esse artigo. E ainda exagerou na dose; com sucessivas prorrogações, urnas sem nenhuma fiscalização ficaram expostas durante quase 3 messes aos caprichos de apelos da direção na vã esperança de conseguir o precioso quorum.

Primeiro tem que se observar que o artigo 7 do regimento veta a possibilidade de se usar a figura da assembléia permanente, segundo que já há acórdãos na justiça também vetando essa prática. Terceiro, mesmo com esse atalho, a direção da APUB não logrou seu objetivo que era obter o quorum para aprovação das suas propostas.

O resultado final foi:

22

Clique na tabela para melhor visualizá-la

As propostas portanto não obtiveram o quorum exigido que era de 50% + 1. E a proposta em questão que criava o art 19 que introduzia o plebiscito foi a 4ª menos votada e só obteve 39,95% dos votos.

2º atalho – Mas a diretoria da APUB não se deu por achada e usou outro ardil: publicou o resultado assim:

Clique na tabela para melhor visualizá-la.

Calculou os percentuais não em relação ao número de associados oficial (2.701), mas em relação ao número de presentes (1.304). Esse 2º atalho é mais grave do que o 1º, pois este poderia ser atribuído a ignorância, mas com o segundo, abusou-se da boa fé e zombou-se da inteligência dos associados. É possível que haja professores que gostem de ser enganados, mas não creio que sejam a maioria. Mas ainda havia outro obstáculo; a mudança do regimento dependia da aprovação do congresso do ANDES como manda não só o estatuto do ANDES como o regimento da APUB. Mas o ANDES tinha conhecimento do número de associados da APUB pois esta o enviava semestralmente em função dos CONED e CONAD.

Aí vem outro ardil:

3º atalho –  A Direção da APUB cria um novo número de associados só para a assembléia permanente: 2.520 baseado em critérios totalmente ao arrepio de regimento e estatuto. Mas mesmo esse número não dá quorum para aprovação das propostas como se vê abaixo:

Clique na tabela para melhor visualizá-la.

De novo a Diretoria da APUB não se dá achada. Cria outro ardil.

 4º atalho –  A APUB não envia o resultado das votações das propostas para o ANDES, mas apenas o número de votantes total ou seja o número de presentes (que assinaram as listas): 1304. E argumenta no sentido de que o número de presentes atingiu o quorum, pois 1304 é pouco mais de 50% do total de associados manipulado: 2.520. Enviou também um parecer de advogados da APUB justificando tal número. Parecer este que não resistia ao mínimo confronto com o regimento da APUB. Quem tinha que atingir o quorum era o número de votos de cada proposta e não o número de presentes. Mas ainda tinha outro obstáculo. Apesar do ANDES não ter observado o ardil do quorum, o seu congresso rejeitou as mudanças pois ela feria outros artigos do Estatuto do ANDES combinados com o regimento da APUB.

A reação da APUB:

5º atalho –  TRUCULÊNCIA. A APUB simplesmente ignorou o resultado do Congresso do ANDES ao qual a APUB estava subordinada segundo seu regimento.

Daí em diante foi uma seqüência de atalhos que declino comentar por cansaço, salvo dois que deram xabú para a Diretoria.

Na penúltima assembléia para aprovar o estatuto de sindicato da APUB para encaminhar ao MTE eu e outros professores avisamos que aquela assembléia estava prejudicada com relação aos fins que pretendia pois o MTE exigia que fosse publicado tanto no DOU como no jornal de maior circulação a convocação da assembléia.

Mais uma vez eles usaram a truculência e ignoraram nossa advertência. Resultado, o MTE devolveu o processo para que fosse feita outra assembléia observando esses passos. E assim tiveram que convocar nova assembléia há dias atrás para corrigir mais esse atalho. Em assembléia do Plano de Saúde retardatária para explicar os boxixos que já estavam preocupando a categoria, os diretores tentaram explicar porque a ANS interveio no plano da APUB, bloqueando inclusive bens ou contas de alguns diretores. Uma das explicações foi de que a APUB não tinha se enquadrado como devia em uma determinada lei. E a explicação de porque não tinha se enquadrado foi, com outras palavras, de que aquela lei era desobedecida por todo o mundo. Mas um atalho ao gosto de certos diretores que acham que obedecer às normas é burocracia que entrava o movimento sindical. Atalho esse que custou caro.

Não sei quem escreveu o artigo abaixo publicado sob o Timbre da APUB, mas ele criou um neologismo para me rotular: estiloso. Se com estiloso ele quer dizer que eu sou escrupuloso no trato das coisas coletivas, eu me orgulho de sê-lo. No Aurélio não tem a palavra estiloso, mas tem ardiloso, carapuça que se cabe em alguma cabeça, com certeza não é a minha. O Magri se notabilizou por criar neologismos, mas não sei se fica bem para um professor titulado imitar Magri. Além disso o assunto é muito sério e grave para se fazer brincadeiras, não é um assunto para literatura de cordel.

——————————————————————————–

Em 8 de outubro de 2010 17:28,
Apub apub escreveu:

Prof. Francisco Santana, O prof. Francisco Santana anda muito preocupado e demasiadamente estiloso com as firulas jurídicas que envolvem os processos de legalização da APUB Sindicato, antes seção do nosso antigo sindicato nacional. O professor Santana, tem ido com tanta sede ao pote, que descobre irregularidades de toda ordem em qualquer ato da APUB que tenha implicações legais. Ele está em alguma campanha. Uma campanha ruim porque baseada em pressupostos falsos. Os nossos colegas, a quem o professor se dirige e quer convencer de alguma coisa, prezam muito a lisura da informação. O professor afirma o que não sabe sobre o processo de legalização do nosso novo sindicato. Se ele quiser, podemos lhe dar os números do processo de registro da APUB Sindicato no Cartório local e no Ministério do Trabalho e Emprego, em Brasília, onde está já em trâmite final. Tudo isto feito com a assessoria de um especialista da área na praça de São Paulo.

——————————————————————————–

Rua Padre Feijó n 49 – Canela. CEP: 40110-170, Salvador – Bahia. Tel/Fax: (71) 3235-7433 | (71) 3235-7286 | Email: apub@apub.org.br

2 Respostas to “– APUB encurralada!”

  1. Menandro Ramos Says:

    Rindo pelos cotovelos, o meu amigo Saci-Pererê da UFBA, mal raiou o dia e foi logo me saudando muito pândego:

    – Bom-dia, chefia! Quem não sabia que o Prof. Francisco Santana acabaria pegando a diretoria atual da APUB na mentira, e por uma ninharia, ia ia ia? Eles acabaram confessando que contrataram um causídico famoso em Sampa!

    Eu estava tão absorto nos meus pensamentos que nem conseguia, ia ia focar no que ele dizia, ia ia.

    – Maldito Sai – pensei – eu acabei pegando também os seus cacoetes…

    – Sorria, chefia – respondeu de chofre o moleque, parecendo ler meus pensamentos – você está na Bahia, ia ia. O advogado deles, não! Quero ver quem vai pagar essa conta, essa mixaria, ia ia

    ***

    Avinhe quem é leitor? Acho que você também entrará nessa fria, ia ia

    Veja, acima, quem contra eles aprontou mais uma estripulia, ia, ia

    – Ô pestinha! Minha língua ficou pegando também!…

  2. MARIA INÊS MARQUES Says:

    MENA,

    QUEM PODE DIZER QUE UM HOMEM DESTES, COM ESTA CAPACIDADE ARGUMENTATIVA E MEMÓRIA, QUE PERMANECE NA LUTA, MERECE UM TRATAMENTO DADO POR AQUELA CRIATURA APUB, AUTOR/A DE TEXTO APÓCRIFO.
    BEIJOS
    MARIA INÊS MARQUES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: