– A questão do rigor metodológico

O Saci se péla todo com os rigores da Ciência, desde que soube, pelo senso comum, que toda ponte é em vão... Ah! Essa louca polissemia! Para ele, a Arte é que deve ser exata, exatíssima; enquanto a Ciência deve se aproximar do objeto apenas o que as sinapses cerebrais permitirem, sem aquela forçação de barra de correr atrás dos décimos de milésimos para parecer verdadeira. Ah! Isso, nunca!!!

Recebi e tenho o prazer de socializar com os (as) Colegas e Leitores (a) deste Blog:

Caro Prof.  Menandro
Abaixo uma mensagem enviada ao então repressentante do CREA Eng. Spinola e aos colegas no ensejo do evento em referência.
 Por uma mera curiosidade de minha parte, haja vista a sua sua natural habilidade  com um estilo bem  distanciado da doxa e que tem o mérito de fazer ecoar  “gritos” sobre  graves e angustiantes questões , que chances teria o tema na nossa lista ?
Atenciosamente, 
Joaquim Xavier

Caro Spinola

     Aproveito o ensejo para lhe parabenizar e a todos os Colegas pelo evento, e esclarecer a sugestão feita no rápido diálogo que tivemos.

A idéia é que a cada encontro (anual, bianualmente ?!) pudessemos formalizar  documento técnico-científico de natureza sociopolítica segundo a visão da Engenharia.

Por exemplo, estamos assistindo perplexos como a falta de rigor metodológico e de conhecimento técnico-científico tem levado pessoas e mesmo instituições a firmarem posições equivocadas e claramente danosas quanto ao nosso futuro como Nação Soberana. Vimos nos debates entre os candidatos nas eleições presidenciais como questões cruciais foram tratadas de modo simplório e/ou genérico usando-se as desgastadas frases de efeito; e muitas vezes “inventando-se” soluções num cenário montado pelos donos da Mídia que aliena ainda mais o eleitorado brasileiro, como se achismos e improvisações resolverão nossos problemas !  Foi com essa preocupação que encaminhei aos candidatos,  na oportunidade dos debates do 2o. Turno, o Ensaio anexo com a esperança de deslocar o foco para os problemas que interessam verdadeiramente às brasileiras e brasileiros.

Tentei, ainda,  junto aos Comitês chamar a atenção para fenômenos muito mais amplos e de extrema complexidade. Refiro-me ao Geossistema envolvendo todas as esferas da Natureza e a indefinição de seus parâmetros; e que exigem, por parte da Sociedade, atenção e cuidados. Por exemplo, considerando apenas 03 (atmosfera, hidrosfera e biosfera) das 05 esferas e suas iterações, vê-se que são rápidas as transformações e imprevisível a magnitude dos efeitos, indo de mínimos a máximos desconhecidos – ao que cientistas denominam afastamento dos extremos. Assim, a maior (ou menor) temperatura, tempestade, a maior enchente, o maior terremoto, etc. ainda estão por vir; da mesma forma como estão indefinidas na esfera humana as referências, com a perda dos universais como Moral, Ética, Justiça, Cidadania, etc. Assim, o maior efeito da cleptocracia no Brasil, a exaustão do contribuinte pelos impostos para alimentá-la e mesmo o maior crime, são fatos que já estão ocorrendo ou estão por acontecer. Daí o  grave perigo da omissão e/ou do desconhecimento. Os slides da palestra: AÇÕES IMPERATIVAS  E  O  ÊXITO  NA EDUCAÇÃO  E  DIREITOS HUMANOS (click no link abaixo) mostram aspectos geocientíficos (sistêmicos) dessa discussão e deste momento crucial para a Nação Brasileira.

Portanto, temas de relevante interesse como o do ensaio sobre a Matriz de Infraestrutura de Transportes, poderiam  ser aprofundados com a colaboração dos demais colegas de modo a dar subsídios técnicos a instituições decisivas como, por  exemplo, o próprio Ministério Público.  Não temos, infelizmente,  quaisquer razões para supor que tais iniciativas possam partir daqueles senhores que compõem o Congresso Nacional.

Cordialmente,
Joaquim Xavier

——————————–

Veja os slides do Prof. Joaquim Xavier sobre o tema, em PDF, intitulado “Ações Imperativas e o Êxito na Educação e Direitos Humanos” (clique AQUI).

Leia também Matriz de Infraestrutura de Transportes (em PDF)

Anúncios

2 Respostas to “– A questão do rigor metodológico”

  1. Joaquim Xavier Cerqueira Neto Says:

    Em tempo:
    Atualmente está na Chefia do Departamento de Geologia e Geofísica Aplicada do IGEO\UFBA, a Professora Susana Silva Cavalcanti.
    Sds.
    Joaquim Xavier

  2. Joaquim Xavier Cerqueira Neto Says:

    Prezadas (os)

    Por gentileza confiram no indicativo acima: “Ações Imperativas e o Êxito na Educação e Direitos Humanos” -, aspectos importantes como:

    i) – a pertinência da Bibliografia, nos contextos: das grandes preocupa-ções da humanidade e dos desafios atuais para nossa Sociedade e, especialmente, para nossa Universidade; ii) – a autoridade dos cientis-tas, autores das obras consultadas, e dos demais autores e pensadores ali citados.

    iii) – Na referida Bibliografia há uma correção a ser feita: onde se lê: HAWKIN, leia-se: HAWKING, Stephen W., talvez, o maior QI dentre os 7 bilhões de pessoas do Planeta, hoje, infelizmente, paraplégico; e, finalmente,

    iv) – a necessidade de suprimir lacunas citando, por exemplo, obras de outras brasileiros como as do Professor Genebaldo Freire Dias, para quem “as pressões do sistema financeiro internacional têm conduzido as demais nações a situações de insustentabilidade nos seus proces-sos de desenvolvimento (..)”; e que a humanidade depara-se com um grande desafio: “a perda do equilíbrio ambiental, acompanhada de erosão cultural, injustiça social e econômica e violência, (..); propõe “esforços, com foco na Educação Ambiental e na formação de grupos interdisciplinares de pesquisa, voltados à compreensão e internalização de uma nova ética de desenvolvimento, capaz de responder ao desafio da sustentabilidade da vida humana no planeta.” Ainda, (Dias, 2006, p. 90) lembra a premência de se construir modelos que possam descrever “como o planeta funciona e, com isso, poder formular previsões. Sabe-se agora que não é plausível considerar um aspecto do planeta, ignoran-do outros. (..) Os métodos tradicionais não respondem mais à complexi-dade dos desafios. O método científico tradicional nada mais pode ensi-nar, além de como se relacionam e como se condicionam uns aos outros.” E, faz referência à existência de grandes movimentos interna-cionais em novos campos de estudo: Ecologia Humana, Economia Ecológica, Educação Ambiental e Direito Ambiental; e a novas ideias e conceitos como o de Desenvolvimento Sustentável, projetos de manejo ecológico, de avaliação de impacto ambiental e de Unidade de Conser-vação (op. cit, p. 56); aos quais podemos acrescentar: Legislação, audi-toria ambiental, investigação de passivo ambiental, plano de controle e seguro ambiental.

    Atenciosamente,
    Joaquim Xavier
    ————-
    DIAS, Genebaldo Freire. Pegada Ecológica e Sustentabilidade Humana. EDITORA GAIA LTDA, São Paulo, 2006, 264 p.

    [ —– ] Educação Ambiental: princípios e práticas. 6a edição revista e ampliada. EDITORA GAIA LTDA, São Paulo, 2000 (9ª,2007).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: