♥ ¡Espanha Indignada! ♥

O Saci me pediu para enviar uma mensagem à Profa. Inês Marques, que se encontra na Espanha fazendo pós-doutorado, e solicitar-lhe material, como correspondente especial da “Oropa” para seu Blog (é assim que o pilantrinha diz e não consegui fazê-lo abrir mão de seu exótico falar). Apesar da colega estar assoberbada com sua pesquisa, topou colaborar sem fazer cara feia. Publico abaixo, pois, um primeiro material escrito e fotografado a partir de uma garimpagem que fez pelas ruas e livrarias de Valladolid.

Viva o povo espanhol que se insurge contra a opressão do capital!

Menandro Ramos

——————————————-

 ¡Indignaos!

Maria Inês Correa Marques
Profa. da FACED/UFBA
Correspondente exclusiva
“das OROPA”

Impossível não saber o que está acontecendo na Espanha e o que já existe por toda a Europa, em apoio ao movimento e a idéia de indignação, com a situação política e da democracia. Aquí como aí e acolá, os partidos políticos manipulam os destinos da população, a diferença é que aquí, milhares se indignam contra este e outros tantos problemas. Ocupam a rua, o espaço público, aos moldes do Egito, sob chuva e sol. Os Indignados da Espanha, que os jornais chamam de Espanha Revolution, é um movimento incrível.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O fio da meada está no livro de Stéphane Hessel, que en espanhol foi traduzido como ¡Indignaos! E tem um prólogo escrito por outro indignado da mesma idade e trajetória  do autor. Um francês nascido em 1917, que atravessou a 2ª Guerra como protagonista na Resistência Francesa, ajudou a escrever a Declaração Universal dos Direitos Humanos, conheceu e admira Walter Benjamín, indigna-se contra o apagamento da memória e participou de  movimentos  para unificação da  Europa. Hoje a questiona.

O livro foi traduzido no Brasil também, é fantástico. Não adianta falar dele tem que ler. Ele já é meu livro de cabeceira desde há dois meses atrás quando a tradução chegou. Li entrevista do autor sobre o livro, quando ele foi recem lançado e explodiu em vendas na França. Lembra-se de quando estudou a Revolução Francesa e de como as reflexões atingiam o povo com livros pequenos, mas bombásticos? Este é o caso de ¡Indignaos!.

Farei uma tradução livre duas das pérolas do livro:

“O poder do dinheiro nunca havia sido tão grande, insolente, egoísta con todos, desde seus próprios servos até as mais altas esferas do Estado. Os bancos, privatizados, se preocupam em primeiro lugar con seus dividendos e dos altíssimos salários de seus dirigentes, não estão voltados para o interesse geral. “ ou ainda: “ o fascismo não desapareceu de todo.[…] apelamos a uma verdadeira inssurreição pacífica contra os meios de comunicação de massas que não propõem outro horizonte para nossa juventude que o consumo de massas, desprezo aos mais fragéis e a cultura da amnésia generalizada e a competição de todos contra todos.” INDIGNE-SE! CRIAR É RESISTIR RESISTIR É CRIAR. (A cara de um certo Saci).

Pois bem, o pessoal está fazendo o caminho, caminhando, os líderes não existem, há os abnegados passando noites na rua. Mas a população está prestando toda solidariedade. Vemos na televisão eles levando comida e roupas para o acampamento, nas assembleias. Os políticos de todos os partidos, às portas das eleições estão desesperados. O PSOE, (partido socialista) é o que mais tem se manifestado favoravelmente, impossível ser contra a democracia, dizem. O partido de direita (PP) se aproveita dizendo que tudo é culpa do governo e enquanto isto as pesquisas mostram a queda dos candidatos do governo.

Não há organização, democraticamente decidem em assembléias permanentes, os porta-vozes são do momento. O poder não está entendendo nada, mas eles mostram a indignação em diferentes frentes, por exemplo pedem reforma constitucional, emprego, democracia. Existe um movimento reivindicativo, chamado “Democracia Real Já”, contra a manipulação eleitoral e partidos. Gritam pelo fim do poder dos donos do mundo, que produzem  as crises e continuam mandando e se dando bem. Zapatero apoia o movimento, diz que sua principal característica é de ser pacífico (como queria Hessel, o maior revolucionário de um livro que só, pede para a juventude se se indignar, do alto dos seus 94 anos) o presidente espanhol,  entende que a exigência crítica, tem que existir na democracia, mas o voto também. Então pede para as pessoas votarem, pois exercendo seus direitos é que modificarão algo. Os indignados não pensam assim.

As concentrações estão em 35 cidades, e em todas, a mesma estratégia de convocatória: redes sociais, reuniões em praças, de onde se reunem e os seus gritos estão deixando despertos os poderosos. É impressionante, gente de todas as idades e muitos, muitos, estudantes e jovens, atingidos pelo desemprego.

“El 15 M” (Mayo) é o movimento mais surpreendente dos últimos tempos no mundo, dizem os jornais espanhóis e muitos estrangeiros. Os indignados não estão lá para derrubar governos, morrer e matar, mas estimular as pessoas a se indignarem. A justiça determinou que o movimento fosse extinto em função do período eleitoral, eles ignoraram, o governo ignorou e os policiais só observam. Esperamos que sigam, pois prometem não deixar a chama se apagar.

Então é isto, um pouco do que tenho visto e ouvido aqui. Ah! Valladolid também tem indignados acampados, mas só vou à Praça Fonte Dourada amanhã, tirarei foto e te mando. Por enquanto isto, segue uma foto que é a tradução de uma verdade que não se pode esquecer, que no Brasil corresponderia a: “tem muito cacique para pouco índio”!!!!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: