– Os laços da APUB

Veja a animação acima,  curtíssima por sinal,  que o Saci fez para homenagear o “Saco Natalino de Bondades”  da APUB proifiana.

———————————————————-

Deu no APUB em Pauta:

“Que este seja um momento de fortalecimento dos nossos laços

———————————————————-

Laços Frouxos

Menandro Ramos
Prof. da FACED/UFBA

 

 

 palavra “laços”, da mensagem do delicado cartão on-line da APUB aos seus associados, mexeu com as entranhas semânticas do meu amigo Saci.

– Laços? Que laços, chefia? Que laços? Pergunte ao condenado, a caminho do patíbulo, o que significa “estreitar o laço na hora H”; pergunte ao boi, preso ao mourão por um laço forte, à espera da porretada final, qual o sentido da corda apertada para ele; pergunte também ao caçador o que significa “laçar” a sua presa, pergunte… 

Bestificado eu não conseguia entender o seu acesso de fúria, se o que fora visto no site da APUB não passava de uma gentil mensagem natalina.

– Para o Dicionário Houaiss – continuou ele –  “laço” significa: “nó corredio facilmente desatável, com uma, duas ou mais alças”; ou “armadilha ou rede para apanhar caça de pêlo ou pena “; ou ainda, entre outros significados, “estratagema que tem por fim embair outrem; logro; cilada, traição”. Assim, o tal “laço” da mensagem oriunda da agremiação sindical proifiana teria sido um ato falho da diretoria da APUB?…

– Ô Saci, me poupe! Tenho mais o que fazer…

Mesmo eu não querendo alimentar aquele papo sobre as proezas dos ocupantes da casinha da rua Pe. Feijó, ele insistia.

– E o símbolo do floco de gelo no cartão, reparou? Frio, não? Melhor: gelado! É o Natal inspirado nos pinheiros estadunidense e na neve europeia – e também norte-americana, claro… É a APUB globalizada, flexibilizada, dócil aos ditames do capital, do consumo, inerte para a luta em favor do trabalhador…

– Tudo bem, Saci, mas tenho que ir ali! – tentei sair de fininho, mas ele me segurou pela aba do chapéu.

– Hoje a APUB segue o bloco carnavalizado – no mau sentido, evidentemente -, de um setor das universidades brasileiras, que não quer nada com os outros trabalhadores, que se sente parte do Olimpo pensante e que adora exibir-se no Lattes e citar papers produzidos na língua de Margaret Thatcher, de Ronald Reagan…

– Saci, de meus pecados! Deixe a galera se divertir, celebrar o Ano que se encerra! A vida é breve… Afinal, que mal há nisso? De um modo ou de outro, é o momento de partilhar o panetone, de trocar lembrancinhas, de afirmar afetos, interesses. É a festa maior da cristandade, das luzes, dos presépios, das árvores enfeitadas, do espocar do champanhe…

O pilantrinha me interrompeu com gestos e sons impacientes.

– Tchs! Tchs! Já ia me esquecendo que você é associado da APUB e paga, em modestas prestações mensais, a farra da atual diretoria…

– Isso é um problema que só a mim diz respeito! – respondi-lhe rispidamente.

 – Tudo bem! Se é seu o problema, que fique com ele, então. Todo mundo tem o direito de escolher ser otário ou não.  só não pode é querer tapar o céu com a peneira! A sua agremiação proifiana está se especializando largamente em eventos que começam no Réveillon e terminam no Natal do ano seguinte. Festança é com a diretoria. Agora, quem sabe no que resultuaram as mesas de negociação com os últimos governos que apoiou? Quem sabe sobre os avanços da reestruturação da carreira docente? Alguma conquista palpável? Desmoralizada por não conseguir nenhum benefício para os professores frente o MEC, ensaiou umas notinhas “indignadas” de fachada pra confundir o público, investiu no mecenato institucional, apoiando manifestações artísticas de discentes, patrocinou eventos culturais pra disfarçar sua opção pelas ações neoliberais, ainda que muito bem travestida de esquerda e adotou, definitivamente o slogan que sindicato é para conveniar… Quem não se lembra da “homenagem” prestada recentemente ao revolucionário e poeta baiano Carlos Marhighella?

Em tempo de sindicatos flexilizados pró capital, a tática do convênio seduz os que ignoram o verdadeiro papel das organizações sindicais… (Fonte: Jornal da APUB).

 ***

Diante da minha indiferença em alimentar as provocações do escrachado de gorro vermelho e pito, ele se apossou do meu depauperado PC e mandou ver nas suas intervenções e “artices” digitais. Tentei ainda ver meus e-mails, mas ele me ignorou. Meio deslocado, ou sentindo-me estrangeiro na minha própria residência, não me restou senão a cama vil, local preferido dos improdutivos e lascivos… Contraditoriamente!

Há, na UFBA, um auto-proclamado ombusdsman da agremiação sindical dos professores de olho no “Saco de Bondades” da APUB…

Uma resposta to “– Os laços da APUB”

  1. osaciperere Says:

    O significado de “laço”, de acordo com o Dicionário Houaiss:
    ———————————————–

    Acepções
    ■ substantivo masculino
    1 nó corredio facilmente desatável, com uma, duas ou mais alças
    Obs.: cf. laçada (‘nó corredio com uma única alça’)
    Ex.:
    2 (sXV)
    armadilha ou rede para apanhar caça de pêlo ou pena
    3 Derivação: sentido figurado.
    estratagema que tem por fim embair outrem; logro; cilada, traição
    Ex.:
    4 Derivação: sentido figurado.
    pacto entre indivíduos, partidos, povos ou governos para determinada finalidade; aliança, vínculo, união
    Ex.: l. matrimoniais, políticos etc.
    5 Regionalismo: Brasil.
    corda forte, esp. de couro trançado, com até 25 m de comprimento, que tem um nó corredio numa das extremidades e é us. para colher bois e cavalos em movimento
    6 Regionalismo: Portugal.
    m.q. gravata-borboleta
    7 Rubrica: geometria.
    anl numa curva que tem um ponto nodal, qualquer segmento da curva que limita uma região fechada; alça

    Locuções
    l. de quatro tentos
    Regionalismo: Rio Grande do Sul.
    laço (‘corda forte’) trançado com quatro tiras de couro, típico dos trabalhos pastoris gaúchos
    laços dos ofícios
    Rubrica: dança. Regionalismo: Portugal.
    dança em que os participantes, empunhando pauzinhos com laçarotes, reproduzem os gestos de cada ofício (o do sapateiro, do carpinteiro, do barbeiro etc.)
    em cima do l.
    na última hora
    pegado a l.
    Regionalismo: Brasil.
    pouco inteligente, muito estúpido
    laços dos ofícios
    Rubrica: dança. Regionalismo: Portugal.
    dança em que os participantes, empunhando pauzinhos com laçarotes, reproduzem os gestos de cada ofício (o do sapateiro, do carpinteiro, do barbeiro etc.)
    em cima do l.
    na última hora
    pegado a l.
    Regionalismo: Brasil.
    pouco inteligente, muito estúpido
    em cima do l.
    na última hora
    pegado a l.
    Regionalismo: Brasil.
    pouco inteligente, muito estúpido
    pegado a l.
    Regionalismo: Brasil.
    pouco inteligente, muito estúpido

    Etimologia
    lat.vulg. *lacèus, por laquèus,i ‘nó, laço, qualquer armadilha para caça, cilada, empecilho, embaraço’; ver laç-; f.hist. sXIV lacos, sXIV lazo, sXV llaço, sXV laaços

    Sinônimos
    ver sinonímia de armadilha

    Homônimos
    laço(fl.laçar), lasso(fl.lassar e adj.)

    Coletivos
    laçarada, laçaria

    Gramática
    na acp. 1 (‘nó corredio’), aum.: lação e laçarrão; dim.irreg.: lacete

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: