Archive for fevereiro \26\UTC 2010

Liberdade é tema da Aula Inaugural da UFBA

fevereiro 26, 2010

Eu estava lendo, justamente, sobre a censura de uma mensagem do Prof. Roberto Guimarães (leia), pelo moderador da lista de discussão “apub-l”, desde janeiro deste ano, quando me chega o Saci todo eufórico com a grande novidade:

– Chefe, ‘ já sabe? O tema da aula inaugural da UFBA, este ano, vai ser a liberdade!

– Que bacana, Saci! A “liberdade de expressão” também deverá  ser abordada, não? Vou fazer o possível para dar um pulinho até o Palácio da Reitoria…

Ele não deixou nem eu concluir a minha fala e foi logo alfinetando:

Hum! Sei não, viu! Quem não deve ter gostado nada com a escolha do tema foi o presidente da APUB!   Vai ver que ele… tsi, tsi, tsi – se lá pisar os pés – vai ficar todo escabreado… Como um peixe fora d´água!

Pesquisa aponta que UFBA prefere as festas à fraternidade

fevereiro 23, 2010

Sinceramente, o resultado da pesquisa que o Saci me apresentou, tendo por base as visitas a assuntos contabilizados no seu blog, creio, merece a ajuda de um especialista em survey ou de alguém que manje bem de análises estatísticas e de números. Não é pra falar mal, não, mas acho que o meu amigo estroina se precipitou em tirar conclusões sem considerar outras variáveis.

A metodologia usada por ele foi a seguinte:

Contou o número de visitas que buscaram temas festivos ou apologéticos, a exemplo das publicações A APUB na mudança do Garcia ou Presidente da APUB é premiado e, simplesmente, comparou com a visitação de outro texto intitulado O difícil lema da Campanha da Fraternidade.

Enquanto as duas primeiras publicações receberam centenas de visitas tão logo foram liberadas pelos moderadores da lista “debates-l” (a “apub-l” não conto mais, pois censuram até aviso de recebimento de mensagem), o texto que faz referência à Campanha da Fraternidade precisou de quatro dias e meio para alcançar meia centena de visitantes.

Daí a conclusão radical do meu amigo Saci: “A UFBA é louquinha por festejos, efemérides, homenagens e ti-ti-tis” ou, ainda,  “Para a UFBA, um lema como ‘A Fraternidade’ é coisa muito piegas”. Razão pela qual – completou –  a atual diretoria da APUB sacou logo que seus súditos/associados têm mais interesses por fofocas do reality show global (vide notícias do BBB no seu site), do que por assuntos ligados à solidariedade humana.

Pessoalmente, discordo dele. O máximo que posso admitir é que “os leitores das mensagens que enviamos preferem visitar links sobre ocorências mais festivas”. Aí eu posso até admitir. Ainda assim, para ser mais rigoroso, teria que ampliar bastante o universo investigado. Sob pena de condenar o “meu” objeto pesquisado ao infame leito de Procusto.  

Mas para que não diga que estou usando da mesma tesoura vil esgrimida pelo presidente da APUB, vejo-me obrigado a publicar suas sandices.

Porém, faço todas as ressalvas para que fique bem claro: isso é o que ele pensa. Para dizer a verdade, há muito tempo eu não consigo pensar mais em nada. Muito tempo mesmo!…

S.M.J.
Menandro Ramos

Lula X FHC

fevereiro 23, 2010

O Saci me contou que, depois da convenção do PT aclamando o nome da ministra Dilma Rousseff como candidata à presidência da República, uma velhinha, na Praça da Piedade, comentou com outra, ao ver os velhinhos discutirem política de forma acalorada:
-Ai! Meu Deus! Não aguento ver novamente Lula e FHC se digladiarem pela presidência!…

Mesmo o governador Serra não tendo assumido ainda a sua candidatura, a galera já saca o que vem por aí…

Site da APUB divulga BBB

fevereiro 22, 2010

“A APUB DIVULGA O BBB
POR FALTA DO QUE FAZER”

Todo mundo, em minha volta, riu quando falei que o site da APUB estava acompanhando e publicizando atentamente os principais lances do Big Brother Brasil 10, bem como quando mencionei a manchete que o malandro do Saci criara. Pudera! A coisa parecia tão absurda, mas tão absurda, que de dez pessoas com quem comentei sobre o assunto, dez acreditaram que era mais uma gozação do meu amigo arreliento. E, ainda por cima, me botaram na mesma laia do pilantra esculhambado. Veja se eu posso?

Pra dizer a verdade, eu próprio ri até me acabar, quando, pela primeira vez, ele comentou comigo sobre o desembestamento do nosso outrora valente sindicato. Mas acho que pela maneira debochada e incrédula com que me portei, ele ficou brabão comigo:

– Chefe, brincadeira tem limite! – repreendeu-me colérico.

Diante do que me pareceu uma manifestação sincera, tentei inutilmente dizer-lhe algo que pudesse acalmar-lhe os ânimos. Foi em vão. Ele não me ouviu. Se mandou, sem que eu visse a hora.

Queria ver, com os meus próprios olhos, até onde ele estava falando a verdade. Antes, porém, para não pagar mais um mico, conferi se, de fato, ele tinha se mandado mesmo. Tão logo me certifiquei que estava sozinho no AP, corri para bisbilhotar o site da APUB. Lá estava a crueza da informação que o Saci me dera. Na seção “ ÚLTIMAS”, na coluna da direita, pude ler a fofoca sobre o reality show global: “BBB 10: ‘Se eu voltar, ninguém vai me aguentar’, ameaça Dicesar”.

Não podia ser! O site do sindicato dos professores universitários concorrendo com as Revistas Caras, Capricho e outras publicações “leves” da indústria cultural! E o pior é que nem uma palavra sobre os assuntos que deveriam ser, de fato, tratados pela esfera sindical!

Triste fim de Policarpo Quaresma! – não pude deixar de exclamar, ao me recordar da reviravolta que sofreu a vida do personagem de Lima Barreto, escrito na primeira década do século passado.

Bem parecida com a transformação da APUB!…

—————

O endereço pode ser conferido:

 http://apub.org.br/wp/

Blog do Saci-Pererê vai virar livro

fevereiro 19, 2010

Acabamos de bater o martelo. Os textos e charges  deste Blog serão organizados em um livro, com um ou mais volumes.

Já temos o nome:

DIÁLOGOS COM O SACI-PERERÊ – olhares sobre a política econômica, universitária, sindical e outros bichos.

De preferência, gostaríamos que fosse publicado pela EDUFBA. Bem, é o que gostaríamos. A depender do reitor de plantão, talvez consigamos. Talvez…

Who to know dies!

fevereiro 6, 2010

Esta história tem como cenário uma rua de Chicago. Ela ocorreu um pouco depois da implantação do Volstead Act, – ou a Lei Seca, como ficou mundialmente conhecida -, que, em 1920, proibia a venda e transporte de bebidas alcoólicas nos Estados Unidos.

O pequeno John estava deslumbrado com o que via. De um lado, a beleza serena do lago Michigan; do outro, os arranha-céus que furavam as nuvens branquinhas.

Suas pequeninas pernas se viravam para acompanhar a senhora mal-humorada que o conduzia. Aos solavancos, ela o fazia atravessar escarreirado a grande avenida, por entre carros pretos e barulhentos. Apesar dos safanões que a mulher lhe aplicava, a cada uma das suas viradas de cabeça para trás, ainda assim, até que ele se divertia com a paisagem, pois para ele aquilo tudo era novidade.

Aos quase sete anos de idade, nunca tinha visto, até então, um único automóvel sequer. Lá no rancho texano onde nascera, o máximo que vira, com quatro rodas, eram as diligências que deixavam, como rastro, uma nuvem de poeira insuportável. Ali não. Era quase tudo limpinho. Exceto algumas ruas que davam para uns armazéns sinistros.

Pois era exatamente ali que estavam passando naquele momento. Na tentativa de conciliar o puxa-puxa da tal senhora (que por sinal era sua tia), com as alhadelas curiosas por onde passava, nem se deu conta que estavam entrando por uma viela sombria. O lugar era aterrador. Ao longo da calçada, viam-se homens tranjando paletós brancos sob capas pesadas e de olhos escondidos por trás de óculos escuros, que por sua vez se escondiam debaixo das abas de chapéus com largas faixas também escuras. Todos, sem exceção, tinham cara de bandido dos filmes de Hollywood e fumavam grossos charutos.

Um dos prédios lhe chamou a atenção. Além das luzes coloridas que piscavam num ritmo constante, duas letras enoooormes se destacavam no alto do prédio.

O pequeno John, curioso como toda criança que está sendo alfabetizada, quis saber o que aquilo significava:

– Tia Dhylma, o que significa B. I. e pra que serve?

Ah! Pra quê! A pobre criança teve a impressão de ter seu braço direito arrancado, tamanha era a dor que sentira, dada a violência do puxão que sua tia dera. Em seguida, ouviu assombrado a advertência da senhora deveras vexada:

– Silence, little plague! Who to know dies!

Que, na língua de Machado de Assis, pretendia dizer mais ou menos isso:

– Silêncio, praguinha! Quem souber, morre!

Professores para a Nova Universidade

fevereiro 6, 2010

A Nova Universidade é pragmática. Adota a lógica do mercado. Tudo tem que ser descartável. Até o professor.

Um ano é um bom tempo para a duração de um contrato. Mais do que isso é arriscado. Até porque, depois desse tempo ela poderá estar velha. Muito velha ou, quem sabe, mortinha da Silva.

—————-

Novidade. Há um mundão de vagas para professores (Parece que umas 20! Só para uma unidade!). É a Uninoiva (noiva do mercado, está lembrado?) ampliando seus quadros!

Ah! Já ia me esquecendo. É só para professores substitutos. Concurso para professores efetivos, nem para remédio. Também, quer o quê, né?…

Enfim, é essa a novidade!

Gula, a pilha do Brasil

fevereiro 2, 2010

Charge do Saci

Depois que a APUB deflagrou, no seu site, uma campanha em favor da canonização do presidente Lula, em vida, – por sinal, ele está vivíssimo da Silva – o Saci resolveu beber na fonte de Lavoisier, ilustre químico francês, para quem, na natureza nada se perde, tudo se transforma…

Sabe Deus se essa sua “Gula-Arte” (copare com o original AQUI) é o estudo para o cartaz de um filme, uma capa de livro ou mesmo um cardápio para um restaurante de Brasília… Sabe Deus!

Propaganda despudorada da APUB

fevereiro 1, 2010

Sempre fico triste quando ouço alguém falar que a APUB é o melhor exemplo de como um sindicato, outrora valoroso, combativo, pôde transformar-se em uma entidade chapa-branca. Mas também, justiça seja feita, o nosso melancólico sindicato tem feito – e muito! – por merecer.

Confira, leitor, com seus próprios olhos, a propaganda despudorada do filme “Lula, o filho do Brasil” que o site da APUB está veiculando (com foto e tudo):

Promoção CUT – Sindicalizados podem assistir ao filme “Lula, o filho do Brasil” com o desconto de 50% sobre o valor do ingresso inteiro.”

O que soa para as pessoas, razoavelmente críticas e com os pés no chão, é que o sindicato dos professores universitários das federais da Bahia descarrilhou de vez.

Triste, triste, mil vezes triste!…

———

E por falar no filme pró-canonização de Lula, fui ver o tal e achei-o fraquíssimo. Para que não dissessem que estou de má vontade por tratar-se de quem trata, conferi alguns especialistas em avaliação de filmes. Houve até quem criticasse a pontuação-limite mínima,  de uma estrela, que foi atribuída à referida película laudatória, como sendo bastante indulgente. Fiquei mais aliviado.

No páreo, somente o sucesso musical baiano de refrão “Vou te comer“, ameaça explícita do Lobo Mau (este é o nome da música) à pobre e indefesa Chapeuzinho Vermelho…

Humm! Sei não, viu! Nesse carnaval, um certo camarote universitário vai pegar fogo!…

Coisa de doido este meu querido país e esta minha amada terrinha!