Archive for fevereiro \28\UTC 2016

Sete aninhos

fevereiro 28, 2016

.

SETE ANINHOS

.

o sétimo aniversário do Blog do Saci-Pererê, com 347.479 visitas, o pilantrinha de gorro vermelho e pito reafirma a sua homenagem à UFBA e reitera a sua disposição em defendê-la,  em lutar para que ela seja Pública, Gratuita, Laica, Autônoma, Solidária e  Referenciada Socialmente. Mas ele não é ingênuo, e sabe que não são poucos os que querem exatamente o contrário, como querem fazer com a Petrobras e outros tantos patrimônios do trabalhador brasileiro… Alguns disfarçam. Outros, não. É só mirar o golpe que o senador José Serra (PSDB) acaba de desferir contra o Pré-Sal, com a anuência do partido do governo e com a ausência na votação de senadores que se dizem defensores do patrimônio público…

Assim, aos vinte e oito de fevereiro de 2011 nascia o do Saci-Pererê em defesa da UFBA e contra a sistemática censura que a diretoria da APUB fazia a alguns professores que ousavam criticá-la.

Para o malandrinho de gorro vermelho e pito, a UFBA – que este ano faz setenta anos, enquanto ele faz sete -, é uma construção do povo baiano em favor da Humanidade e sustentada pela reflexão, pelas Artes, pelas Letras e pelas Ciências, no tripé do ensino, da pesquisa e da extensão.

em-defesa-da-ufba

Bye-bye, pré-sal!

fevereiro 27, 2016

.

0 Privatiza 2.

hhh cap.

.

á quem diga que o montante de dinheiro público desviado e apurado pela Lava-Jato, pode ser gorjeta se comparado com a bufunfa que vai rolar entre os contatos futuros do pré-sal com as multinacionais. Há quem diga que o oba-oba do impeachment da presidente Dilma Rousseff não passou de um mero rolo compressor para amedrontá-la. Há quem diga ainda que a Auditoria Cidadã da Dívida jamais se concretizará, pois se mexer muito nesse “quem-ganhou-o quê” vamos ter o desprazer  de ver em cana respeitáveis octogenários e nonagenários da política brasileira…

Uma postagem no Facebook escolhe bem as cores dessa grande tela da arte-política contemporânea:

Mary Garcia Castro
25 de fevereiro às 13:06
O Estado brasileiro está sofrendo um golpe silencioso. Não será preciso tirar Dilma, o pré- sal já foi entregue para o setor privado, assim como já foi entregue a Ciência, Tecnologia e Inovação. Resta agora a privatização de todas as estatais em âmbito municipal, estadual e federal com o PLs 555. A caixa, BNDES, correios, Embrapa… Estão em risco. É a lógica do estado mínimo vencendo a disputa. E nós?

Sim e também a nação com um retrocesso na normativa cultural como: aumento da minoridade penal; definição de terrorismo q possibilita incriminação de manifestação e manifestantes; conceito de família que marginaliza as formas não heteronormativas e desconhece a diversidade de tipos de família; banimento do termo gênero na educação atacando direitos sexuais e reprodutivos inclusive de pessoas LGBT; obstaculizar e expor a mulher vítima no processo de atendimento medico nos casos previstos de aborto por estupro; proposta de ensino religioso obrigatório nas escolas fundamentais
Lilian Helmman chamou de “tempo dos canalhas” a era do Macarthismo nos EEUU e o congresso no Brasil hoje dominado pelas bancadas BBB como as gerações futuras chamarão?

0 privatiza 1.

0 Auditoria

Há quem diga que só a pressão do trabalhador consciente poderia reverter essa luta quase perdida. O problema, para o Saci, é que a mídia e centrais sindicais pelegas plantaram e regaram com muita grana a semente da falsa consciência…

O fazedor de presidentes

fevereiro 27, 2016

.

0 Patinhas 1

.

OO cap.

.

marqueteiro João Santana, também conhecido por “Patinhas”, que elegeu sete presidentes, foi preso pela polícia federal, juntamente com sua mulher Mônica Moura, ao chegar da República Dominicana. Isso mesmo, segundo o Saci: “De Dominicana para dormi em cana”. Aliás, mudança nada agradável para o casal, que tinha hábito de dormir em hotéis chiques de Nova York e Paris.

Sobre o publicitário baiano João Santana, a mídia noticiou:


Ganhou seus primeiros 15 minutos de fama como letrista da banda Bendegó, nos anos 70. Era Patinhas, então, apelido que ganhou na escola por muito cioso com o caixa do grêmio. Teve uma atirada experiência com música, drogas e a contracultura. Eram tempos da ditadura. Virou jornalista — também do jornal alternativo Boca do Inferno, que foi fechado pela repressão. Passou por alguns veículos da grande imprensa — como a revista Veja e o jornal O Globo. Leia mais AQUI.

.

0 Patinhas 2

.

 

Um patrono para o Congresso

fevereiro 22, 2016

.

ESCOLHA UM PATRONO.

a.

.

o saber do empenho do Prof. Altino Bomfim (FFCH) em organizar um pré-congresso para pensar ações mais efetivas e democráticas para o Congresso da UFBA, o Saci me veio com a ideia de encaminhar para uma Comissão apreciar, além dos textos que serão apresentados, alguns nomes para que um deles seja escolhido como patrono ou patrona (patronesse) do importante evento.

Sem fazer maiores ou menores considerações, repassei o peixe pelo preço que me chegou da feira. Com a palavra, o Prof. Altino, que inventou esse negócio de “pré-congresso”. Ele que pariu Mateus, que agora o balance!

A UFBA no combate ao mosquito

fevereiro 21, 2016

.

MOSQUIRO 2016

Há quem diga que a UFBA deve ir além do combate dos invertebrados da ordem diptera…

Sementes da privatização

fevereiro 19, 2016

.

cerveja no piano 16

O que tem a ver uma cerveja no teclado do rico piano de cauda da Reitoria da UFBA e a privatização que rola solta de cabo a rabo? Maluquice do Saci?

.

Menandro Ramos(*)
Prof. da FACED/UFBA

.

capitular_D

.

essa vez, o meu amigo de gorro vermelho e pito foi longe demais. Apresentou-me um meme contendo o piano do Salão Nobre da Reitoria da UFBA e uma lata de cerveja sobre o teclado do mesmo, e foi logo dizendo que “ali estava a semente da privatização da res publica”.

Sentindo-me o mais estúpido dos mortais, forcei uma exegese daquela composição visual, e ele prontamente se dispôs a me esclarecer.

– Seguinte, chefia! lembra de uma vez que me contou que umas formandas do Curso de Pedagogia da FACED desistiram de usar o piano de cauda da Reitoria da UFBA, durante a solenidade de formatura realizada naquele local, porque teriam de pagar uma nota violenta pelo “aluguel” do tal instrumento?

– Não entendi! fumou cogumelo venenoso com esterco de vaca no seu cachimbo, ô pilantra?

– Calma, apressadinho! Sem violência! Não foi você que me contou que uma vez foi a um casamento de um amigo, realizado na igreja do Museu de Arte Sacra da UFBA? Você se lembra que quando questionei se era possível realizar um casamento num museu de uma instituição federal, você me respondeu que qualquer um poderia fazer uso daquele espaço desde que pagasse? Ou seja, que podia fazer uso privado do espaço público?

– Continuo sem entender onde você quer chegar!…

– Muito simples, chefia! Há muito tempo que as sementes de privatização da res publica vêm sendo plantadas e regadas, e da forma mais inocente possível… Totalmente casta! É a justificativa de que o piano da Reitoria precisa ser alugado mesmo, pois a afinação do dito cujo custa os olhos da cara; é a razoabilidade da defesa do aluguel do espaço do museu para custear o combate aos cupins, pois os recursos federais estão cada vez mais limitados… E por aí vai!

– Ué! E onde entra a lata da cerveja no precioso teclado do piano, esse ato vândalo, praticamente, de verdadeira profanação contra tão belo e requintado instrumento?

– Ah! Chefia! Você também é muito limitado cognitivamente! Isso é apenas uma metáfora hiperbólica para despertar a atenção do público e, ao mesmo tempo, estabelecer um elo no quem vem acontecendo sob a batuta do prefeitinho de Salvador, há muito picado pelo mosquito da privatização, e o expediente utilizado pelos gestores da Pátria Educadora, também picados pelo mesmo mosquito… Desafio quem nega que a capitulação do Dem perante a ordem do capital é diferente da sujeição do PT!!…

– Traduza isso aí, Saci! Não sou obrigado a adivinhar o que passa por sua cabeça empanturrada de teorias da conspiração…

– Simples, toupeirinha, simples! A alegação do prefeitinho vai pelo mesmo caminho: ele diz que sem um patrocinador, não se pode pagar os músicos que cobram valores pela hora da morte para tocar no maior Carnaval do Planeta… Sendo assim, é mais do que justo que a empresa patrocinadora tenha o monopólio da venda da sua cerveja no espaço público. Tão simples assim!

Joguei a toalha. Dizer mais o quê? Filho da mãe esse Saci!

***

Coincidência ou sincronicidade como dizem os junguianos, minutos depois, eu lia uma postagem enviada pelo Prof. Francisco Santana para a lista “debates-l”, cuja leitura nos autorizava a pensar no caráter privatista ou semi-privatista de alguns reitores da ANDIFES, e muito provavelmente das IFES, cujas dúvidas em defender a Universidade Pública ficavam escancarada:

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), criticou a alteração, pois a cobrança em cursos de pós-graduação lato sensu e em mestrados profissionais em universidades públicas não tem consenso dentro da comunidade acadêmica. Alice citou como exemplo a Associação Nacional Dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) que não teria posição firmada sobre o tema e a Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG) contrária à cobrança. “Porque aligeirar-se numa decisão onde a comunidade universitária não tem consenso sobre a questão?” (Leia mais AQUI).

***

Não tive como não pensar no Congresso da UFBA que se avizinha. Qual o seu propósito mesmo? Conformar a comunidade universitária de que nada mais é possível fazer, a não ser nos transformarmos em piedosos coveiros da UFBA Pública, Gratuita, ou seguirmos à risca a assertiva do tual reitor, Prof. João Carlos Salles, que disse meses atrás que “A UFBA não pede socorro, luta”?

————————-

(*) – Este texto é dedicado a D. Celsina de Castro Ramos, que me ensinou a nunca desistir de lutar. Se viva, estaria comemorando os seus 100 anos de nascimento! Parabéns, mãe querida! Muita Saudade! Salvador, 19/02/2016.
_______________

 

 

Mares de Leitte

fevereiro 18, 2016

.

biografia polpuda.

o-moeda.

.

polpudo valor da biografia da cantora baiana Cláudia Leitte, tem despertado acaloradas discussões. Há quem diga que, assim como a água, o leitte só corre para o mar…

Leia mais AQUI.

.

E os terceirizado, ó!…

fevereiro 18, 2016

.

e os terceirizados.

l.

.

evando-se em consideração que todos os diretores de unidades são professores, e membros dos Conselhos Superiores da UFBA, há quem não compreenda a eleição de mais representantes docentes nos referidos Conselhos. A única explicação é o gosto por sentar em cadeiras de alto espaldar… Enquanto isso, os trabalhadores terceirizados continuam comendo o pão que o capeta amassou. Talvez justifiquem os entusiastas das representações mencionadas o fato de os terceirizados serem trabalhadores precarizados e com seus direitos surrupiados… Enfim, ao Deus-dará!

slave

Como sempre, a diretoria proificista da APUB vai assumindo o protagonismo que lhe convém….

Justiça seja feita: boba a diretoria da APUB proificista não é. Há tempos que vem botando a oposição no bolso. Na maciota.
.
Sorrateiramente, vai cooptando docentes aqui e acolá. Principalmente, os mais novos e desavisados. Um viagem para um evento da Proifes, um biscoitinho com chá, um afago… E metade de um mandato já se foi, com promessa de conquista de outro e mais outros.
.
Agora é a vez de anunciar a eleição para representantes docentes nos Conselhos Superiores da UFBA. E tudo com uma aparente plausibilidade. É duro reconhecer, mas são uns danados. Põem muita gente boa, crítica e politizada no bico.
.
Enquanto isso, nem uma lágrima sequer pelos terceirizados…

.

cartaz apub.jpg

 

Educação como mercadoria

fevereiro 14, 2016

.

submisso 16

.

O14.

.

texto de Noam Chomsky, linguista, filósofo e ativista político estadunidense, intitulado “Sobre a precarização do trabalho e da educação na universidade” situa de forma panorâmica os leitores interessados em compreender a recorrência dos discursos que sustentam a necessidade contemporânea da flexibilização das relações de trabalho, e deixa, por outro lado, inteiramente despida a política que a presidente Dilma tem destinado à educação brasileira, ditada pelas exigências do grande capital. Seria bom que os reitores pouco críticos, que tendem a alinhar-se ao governo federal, tomassem conhecimento do que diz Chomsky…

 
Quanto aos dirigentes mais críticos, é bom que também leiam o referido texto, pois certamente irão fortalecer suas convicções do quanto a Educação foi transformada em mercadoria. Claro que o que é recomendado aos dirigentes, é também valioso para professores, estudantes, técnico-administrativos e comunidade em geral.

Veja mais (AQUI).

A zika olímpica

fevereiro 14, 2016

.

Olinzica

Atletas estrangeiros estão temerosos…  (Veja mais AQUI).

.