Julgamento midiático

.

presidentes 2016.

cap h qá quem diga que a frase a seguir não é de Fernando Sabino, mas do ex-presidente Lula: “De tudo, ficaram três coisas: a certeza de que ele estava sempre começando, a certeza de que era preciso continuar e a certeza de que seria interrompido antes de terminar. Fazer da interrupção um caminho novo. Fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sono uma ponte, da procura um encontro”.

Sem dúvida, Lula tem a presença de espírito dos repentistas nordestinos. A sua ida coercitiva para a PF, que poderia ser considerada uma queda, ele a transformou num passo de dança. Para o Saci, tirando Deodoro da Fonseca que ficou um tanto magoado com o Cara, todos o consideraram um mestre do improviso… Com ou sem o julgamento da mídia!

.

“Sobre a possibilidade de voltar a disputar a Presidência da República pela sexta vez, em 2018, disse que dependerá de sua saúde. “Não sei se serei candidato em 2018, a natureza é implacável com quem passa de 70 [anos]. Mas a ciência avançou e essas coisas que eu faço aumentam minha tensão de participar das coisas nesse país”.

Ele destacou o período como presidente do país. Segundo ele, “desde Floriano Peixoto, foi o presidente que mais viajou e mais trabalhou” e criticou a atuação de veículos da imprensa brasileira na cobertura do caso, no que chamou de “julgamento midiático”. (Fonte: AQUI).

.

 

 


%d blogueiros gostam disto: